EDITORIAS
Boas histórias de viagem por um casal de jornalistas

Nas últimas três semanas, tivemos a oportunidade de conhecer Bruxelas, Bruges e Antuérpia e Budapeste na companhia da minha amiga Thalita Uba na série que chamamos de “Act like a local” – já que ela trouxe dicas fora do roteiro turístico basicones (coisa que a gente ADORA, né? :). Hoje, na última parada dessa viagem super legal, vamos a Viena, que na minha bucket list tá por um motivo mais do que especial: o “Schiebel”, meu sobrenome paterno, é originário de lá (da Áustria, não especificamente de Viena). :)

Mas, enfim, o post da Thali tá excelente e imperdível. Embarque com ela!

Eis que chegamos ao fim dessa nossa viagem maravilhosa pela Europa dos europeus. Este último post da série tem uma conotação muito especial pra mim, pois é sobre o país que me acolheu quando eu era uma adolescente chata e boba durante um ano – que se tornou, até hoje, o ano mais importante da minha vida. Meine Damen und Herren, herzlich willkommen in Wien!

Fonte: www.stadt-wien.at

Fonte: www.stadt-wien.at

Viena – Wien

A linda capital da Áustria tem cerca de 2,3 milhões de habitantes espalhados por 415 km2. Por três vezes (em 2007, 2011 e 2012), Viena foi eleita a melhor cidade para se viver no planeta (segundo a pesquisa “Qualidade de Vida no Mundo”, realizada pela Mercer). Antiga capital do império Austro-Húngaro e residência oficial da dinastia Habsburgo, o centro histórico da cidade é, desde 2001, patrimônio da Unesco, e suas raízes artísticas fazem com que Viena seja conhecida por muitos como a maior referência de música clássica dentre todas as cidades europeias.

 Act like a local in Wien

Pra começar, uma dica não muito agradável: se você não é fumante e não gosta de cigarro, prepare-se para passar por algumas situações desconfortáveis. Em pleno 2013, a maioria dos bares e cafés de Viena ainda permite que se fume em seus interiores. E olha, o pessoal fuma, viu? Fuma pacas, é impressionante. Então é importante tentar não se incomodar tanto com isso, senão você não vai aproveitar tudo que a cidade tem de bacana e interessante.

Deixando o fumacê de lado, pra viver como um bom vienense é preciso se inspirar um pouco nos curitibanos. Isso mesmo: os vienenses são um povo um tanto fechado, desconfiado, que vive reclamando disso e daquilo (mesmo morando em uma das melhores cidades do continente). Parece familiar aos meus colegas das araucárias? :) Eles não costumam, portanto, ser muito simpáticos e calorosos com os turistas, não. Mas como nós não somos turistas quaisquer, somos muito mais espertos e bonitos, vamos tirar tudo isso de letra e aproveitar ao máximo a terra da valsa. ;)

Pois bem, o pessoal de Viena – como de toda a Europa, essencialmente – adora ficar ao ar livre. Seja para bater papo, estudar, ler, fazer um piquenique ou simplesmente ficar de bobeira, os austríacos marcam presença diária nos diversos parques e praças da cidade. Os parques mais visitados pelos turistas são o Volksgarten e o Burggarten, pela proximidade com o centro histórico. Por isso, a gente vai correr pro outro lado, pro Stadtpark, que é um pouquinho afastado do centro, mas é um dos maiores da cidade. É lá que tem a famosa estátua do Strauss, o pai da valsa, mas os turistas costumam passar só pra tirar foto e ir embora correndo. Mas você, que é uma pessoa inteligente, vai aproveitar pra encher a sua garrafinha d’água no bebedouro público que tem lá (e que muitos não sabem que existe) e, de quebra, escutar uma música deliciosa, pois por ali sempre tem artistas de rua tocando algum instrumento.

Act like a local - Viena - Strauss

Pai da valsa…

Depois de um gostoso passeio pelo parque, hora de repor as energias (e as calorias) com uma deliciosa torta Sacher, certo? Errado! A torta típica do famoso hotel é até gostosa, mas ao invés de passar meia hora na fila ao lado de um monte de turistas tagarelas e gastar uma nota por um pedacinho de bolo de chocolate (que é, essencialmente, a que a torta Sacher se resume) seja um bom vienense e vá comer uma bela salsicha recheada com queijo, a deliciosa Käsekrainer, acompanhada de uma cerveja local – Gösser, Stiegl e Ottakringer são as mais populares. Se estiver calor, pedir uma Radler (cerveja feita com limão) é obrigatório. E para os que não conseguem viver sem um docinho, um Strudel sempre cai bem (e pra quem não resistir e quiser mesmo provar a torta, saiba que a receita dela não é segredo pra ninguém – apesar de eles dizerem que é – e praticamente todas as confeitarias a servem por um preço bem mais em conta do que o hotel).

Act like a local in Viena

Käsekrainer – Fonte: www.wildhandel-wieser.at | Ottakringer Radler – Fonte: www.austriansupermarket.com | Strudel – Fonte: www.pizzeria-diavolo.at

 Os vienenses costumam passar horas em cafés lendo, trabalhando ou simplesmente relaxando. Pra quem gosta de fazer o mesmo, uma boa dica é o Café Club International, onde muitas das figuras clássicas locais costumam dar as caras. Esse café fica na praça Yppenplatz, uma das mais populares entre o pessoal local por conta das suas inúmeras opções – desde loja de geleias caseiras até livrarias antigas.

Outra atração bem popular em Viena são os Strandbars, ou “bares de praia”. Mas como assim, bares de praia? Viena não tem praia! Pois é, por isso mesmo os caras têm que improvisar. Pegue um monte de areia, coloque na beira do rio (o Danúbio, no caso), encha de cadeiras de praia e guarda-sóis, monte um barzinho com garçons bronzeados no meio e pronto! Você tem um Strandbar. É pra lá que todo mundo vai depois do expediente quando tá aquele solzão bonito (que, lá, só se põe perto das 22h). Um dos mais populares e divertidos é o Herrmann, que tem uma localização privilegiada e várias promoções de happy hour.

Fonte:  www.strandbarherrmann.at

Fonte: www.strandbarherrmann.at

Por fim, pra fechar esta viagem com chave de ouro, nada de consertos caríssimos na famosa ópera (já fomos à ópera em Budapeste, lembra? Por bem meno$$$), o negócio é curtir o bom e velho rock ‘n’ roll de uma banda local na Arena, um antigo matadouro transformado em casa de shows nos anos 70. Às vezes, eles transformam a pista em um grande cinema ao ar livre, então o negócio é se informar antes pra ter certeza do que vai estar rolando no dia.

E assim chegamos ao fim desse nosso breve passeio pela Europa dos locais! Espero que vocês tenham curtido as minhas dicas e que possam colocá-las em prática o quanto antes! Aqueles que quiserem continuar lendo coisas minhas, podem ficar ligados no Entretenha-me, onde eu e outros malucos damos dicas de cinema, música, literatura e cerveja diariamente. À Natasha, essa menina linda, querida e cheirosa, o meu agradecimento imenso por essa parceria tão legal e divertida! E aos leitores do Pra Ver em Londres, beijos, abraços e tapinhas nas costas (o que convier a cada um, vocês decidam). Até mais ;)

Owwww, Thali, que delícia de post de encerramento da série. Amei muito! :)

Sempre que quiser aparecer por aqui sinta-se à vontade. Para nós será um prazer ter acesso às suas dicas quentíssimas.

Beijobeijo!

 

 

Dê vida ao Pra Ver em Londres. Comente!

Written by

Jornalista, autora do Pra Ver Em Londres e empreendedora digital. Sou completamente apaixonada por Londres e um dos meus maiores vícios é falar sobre a cidade com quem estiver interessado. Um dos meus objetivos de vida é ajudar as pessoas que querem viajar mais e melhor gastando menos reunindo aqui minhas dicas pessoais de viagem. Tenho sempre cinco livros na cabeceira da cama e milhões de destinos na cabeça. Sou sonhadora por natureza.

Latest comments
  • Fui a Viena e não conheci muitos desses lugares :/ Quero voltar agora!! Hehe

    Mas bem, fui a trabalho né….não sobrou muito tempo livre.

    Tem dois lugares que acho que todos devem dar uma passada também….um é o Prater, um dos parques de diversão mais antigos do mundo, onde tem a “roda gigante de Viena e um monte de bares/restaurantes ao ar livre onde os vienenses vão no final de semana comer um joelho de porco, ou outra comida típica (muito boas por sinal!!!) e tomar vários bons choops (indico provar os Weiss, em especial o da Paulaner que é top) e também o Hofburn (acho que é esse o nome) que é o palácio de verão e onde fica o Zoo que também é bem legal, vale a visita ;)

    • Oi, Fernando!

      O Prater, realmente, é parada obrigatória! Não mencionei porque a ideia aqui era realmente falar de coisas diferentes, desconhecidas dos turistas, e o Prater já é bem famoso, né? :)

      O palácio de verão da Sisi e do Franz Josef é o Schönbrunn e é maravilhoso! Acho que, por estarmos na Áustria, vale a pena provar as cervejas locais – como as que eu citei no post. Se você gosta de Weiss, sugiro a Edelweiss, que é austríaca e também é uma delícia! Quanto às comidas típicas, o joelho de porco, na verdade, é alemão (bem como a Paulaner), mas não deixe de provar o Wiener Schnitzel quando voltar a Viena – esse sim, é 100% local! ;)

      Beijo!

  • Descemos de trem da Alemanha para a Itália e passamos pelo interior da Áustria, paisagens mais lindas que já vi na minha humilde vida!
    Ri super com os Strandbars, total Santa Helena aqui pertinho de Toledo, mas em um nível europeu da coisa hahahaha
    Gostei mesmo de Viena, conhecia bem pouquinho da cidade, li o blog hoje cedo e estou comentando só agora, porque fiquei lendo mil e uma coisas sobre a cidade <3

    Abraço, beijo e tapinha nas costas ;)

    ps: Nati, mês que vem vou à Curitiba, to acertando os dias ainda, te aviso para nos encontrarmos! :D

    • Pri, querida! Sempre marcando presença :)

      Adorei sua comparação com Santa Helena hahahaha É isso mesmo, só que sem churrascão de costela, isopores cheios de Kaiser e sertanejo no último :P

      Eu, particularmente, sou apaixonada pelo interior da Áustria, acho mais bonito que a capital! Tudo bem que eu morei no interior por um ano e tenho, então, esse laço afetivo muito forte, mas que é lindo demais, disso não há dúvidas!

      Beijão!

LEAVE A COMMENT