Couch Surfing: acomodação gratuita; experiência que vale ouro!

pravernomundoNo topo da nossa lista de planejamento de uma viagem costumam estar passagem e acomodação. Afinal, são os itens que normalmente custam mais caro e, também, sem eles não se faz uma viagem (é preciso chegar e ter onde ficar pra tudo acontecer, né? :).

Quase sempre a gente fica em hostel, pousadinha ou hotel simples, mas na nossa lua de mel resolvemos fazer algo diferente: incluímos um hotel (em Milão, lembra?), várias casas de amigos (no Sul da Itália, em Genebra e em Munique), um hostel (em Praga), um apê alugado (em Berlim) e um sofá de casa de estranho (em Berna).

Isso mesmo. Vivemos a experiência do Couch Surfing na belíssima Berna (já viu os 10 motivos pelos quais eu acho que você deve conhecer a capital da Suíça? NÃO? Tá aqui!). E é sobre essa experiência que eu vou falar hoje…

Como tudo começou

“A Suíça é muito cara”. Acho que essa foi a frase que mais ouvi quando disse que estávamos pensando em incluir duas cidades deste país no nosso roteiro de lua de mel. Por esse motivo mesmo decidimos que Genebra seria uma delas. Lá era certeza que tínhamos lugar pra ficar. O João tem uma amiga que mora na cidade há anos e disse que a gente podia ficar na casa dela. Não podia ter sido melhor. Mas isso é assunto pra outra hora. 😉

Aí, na pesquisa pré-viagem me encantei com tudo que vi sobre Berna e a assim que estabelecemos que, ok, começaria a realizar meu sonho de conhecer a Suíça visitando Berna e Genebra, partimos para a parte do “tá, e onde vamos ficar em Berna?”.

O Couch Surfing apareceu rapidamente como uma opção interessante porque hotéis eram todos caros e até os hostels eram acima da média de preços que a gente curte pagar. Demos uma olhada nas experiências de outros blogueiros de viagens e vimos que a quantidade de gente falando bem dos sofás alheios (e da experiência como um todo) era muito maior do que a quantidade de gente falando mal e resolvemos fazer nosso perfil.

Ó nós aí! =D Adiciona a gente lá! ;)
Ó nós aí! =D Adiciona a gente lá! 😉

A busca

Logo de cara nos deparamos com um “problema”: havia MUITA gente oferecendo um lugar em sua casa em Berna.

Não, não, obviamente este não era o problema. O problema era decidir para quem pedir arrego duas vaguinhas.

E aí vem a primeira boa dica pra você: faça uma lista de prioridades. A nossa era assim:

  • Ser um casal (porquené, a gente é um casal, então seria mais legal trocar ideias com quem também é um casal);
  • Ter mais ou menos a nossa idade (o que também facilita a interação);
  • Falar inglês (o idioma oficial de Berna é alemão, gente, e eu só sei falar Gutten Tag nesta língua. Sorry!);
  • Morar em uma região central – ou pelo menos com transporte público por perto;
  • Ter boas avaliações – Acho que este deve ser o principal fator de decisão. Tá certo que não dá pra ter certeza se as pessoas foram ou não 100% sinceras em um depoimento, mas lendo com atenção dá pra perceber se vale ou não a pena investir naquele gentil emprestador de sofá. 🙂

Levando isso em consideração ficamos com 3 boas opções. E mandamos nossa solicitação pra todas.

Jamais imaginávamos que os três iam aceitar nos receber, mas foi isso que aconteceu. Pois bem, tivemos que escolher, e optamos por ficar na casa do Phillipe e da Manuela simplesmente porque fomos muito com a cara deles…

E como não ir com a cara desses fofos? :) Sério, se morássemos na mesma cidade acho que eu ia ser BFF da Manu. #exagerada Mas, sério, amei ela. Delicadeza em pessoa. <3
E como não ir com a cara desses fofos? 🙂 Sério, se morássemos na mesma cidade acho que eu ia ser BFF da Manu. #exagerada Mas, sério, amei ela. Delicadeza em pessoa. <3

A experiência

Alguns dias antes da nossa viagem trocamos várias mensagens e eles nos explicaram o que e como deveríamos fazer para ir da estação de trem à casa deles. Era tudo muito simples, claro, mas obviamente tivemos dificuldadezinhas iniciais (a máquina de tickets do metrô estava em alemão e demoramos para entender como trocava para inglês) e pagamos um miquinho inicial chegando SUPER TARDE (tipo 23h!) na casa do Phil e da Nani (não lembro por que o apelido dela é Nani se o nome é Manu, mas tudo bem).

Mas isso não foi um problema. O Phill nos recebeu super bem (a Nani já estava dormindo, ela entra cedão no trabalho), nos ofereceu algo para comer e nos apresentou a sala onde íamos ficar (e a gatinha fofa do casal).

A casa era uma graça. A sala em que ficamos tinha um sofá (o João dormiu nele) e um colchão (onde eu dormi), além de muitos jogos de videogame, dvds, quadros de filme, etc.

A gente até fez fotos da sala adaptada para nos receber - tinha um colchão de solteiro ao lado do sofá, mas a bagunça que conseguimos fazer em menos de 24 horas era TANTA que eu fiquei com vergonha de postar a foto. Sério! Então tá aí a imagem disponibilizada pelo casal no perfil deles do Couch Surfing. ;) Cantinho agradável, né?
A gente até fez fotos da sala adaptada para nos receber – tinha um colchão de solteiro ao lado do sofá, mas a bagunça que conseguimos fazer em menos de 24 horas era TANTA que eu fiquei com vergonha de postar a foto. Sério! Então tá aí a imagem disponibilizada pelo casal no perfil deles do Couch Surfing. 😉 Cantinho agradável, né?

No dia seguinte, assim que acordamos tomamos um banho (chuveiro ótimo!), o Phill nos deu uns mapinhas da cidade para ajudar no nosso passeio, algumas boas dicas de como podíamos curtir Berna e nos avisou: à noite ia ter fondue. E cabia a nós estar lá às 19h. E só! Pois é, perguntamos se devíamos comprar alguma coisa, mas que nada, o casal queria nos oferecer a experiência suíça completa. A gente aceitou, claro.

Acredita que essa trilhinha fofa aí era tipo ATRÁS da casa deles? Tô falando, Berna é MUUUUITO AMOR!
Acredita que essa trilhinha fofa aí era tipo ATRÁS da casa deles? Tô falando, Berna é MUUUUITO AMOR!

A verdadeira pira do Couch Surfing

E foi nesse jantar que entendemos por que o Couch Surfing é uma opção tão legal de acomodação e que fez meu título-clichê fazer tanto sentido. 🙂

Gente, foi tudo muito legal. O jantar estava delicioso, eles compraram cervejas artesanais suíças porque viram no nosso perfil que a gente curtia (!), trocamos muuuitas ideias (nos explicaram sobre a realidade invejável da Suíça, quanto eles pagam de aluguel, quanto viajam, etc. etc.) e posso assegurar com toda certeza do mundo que foi uma noite memorável.

O MELHOR FONDUE DA VIDA. Achei meio louco que tinha pera pra misturar com queijo e outros itens diferentes do "nosso" fondue jaguara, mas, poutz, excelente. Pode querer voltar no tempo e comer só mais um pouquinho? :)
O MELHOR FONDUE DA VIDA. Achei meio louco que tinha pera pra misturar com queijo e outros itens diferentes do “nosso” fondue jaguara, mas, poutz, excelente. Pode querer voltar no tempo e comer só mais um pouquinho? 🙂

Pode ser que a gente tenha tido muita sorte, mas a impressão que tenho hoje analisando a comunidade do Couch Surfing é que de maneira geral é esse mesmo o perfil de quem está disposto a receber alguém na sua casa. A galera quer apresentar sua cultura, conhecer outras culturas, interagir e facilitar a vida de quem tem o mesmo sonho lindo de explorar tudo o que o nosso mundão tem a oferecer.

A gente testou, adorou (cinco estrelas no critério Schiebel Brotto de qualidade), oferece o nosso sofá pra quem quiser visitar Curitiba e pretende repetir a dose. Entonces, #ficadica. 😉

estrelinhas2

Beijobeijo,

Nah.