Algumas horas em Paris

a-tal-da-torre

Quando João e eu ainda nem éramos namorados (só peguetes! hehe) uma vez a gente assistiu um filme francês que se chamava “Dois dias em Paris”, ou algo do tipo. Era uma quarta-feira à  noite e eu estava matando aula na faculdade para ir à Cinemateca com o cara que eu sonhava que fosse meu namorado. =)

Tá, mas não é esse o assunto desse post e eu prometo parar com melação por aqui. Só falei disso porque naquele dia sonhei com um fim de semana em Paris com mon amour. E eu achei que ia realizar esse sonho no fim do mês passado. Mas não foi bem assim… =/

A viagem

A convite da UkStudy (que oferece viagens baratas e de curta duração, já que os estudantes precisam voltar para casa no domingo e estar de pé cedinho na segunda para ir à escola), participamos do tour de fim de semana deles a Paris – que normalmente custa £145,00 por pessoa – o que inclui passagens de ida e volta de ônibus e uma noite de hotel no Ibis.

Assim, na sexta-feira 23 de julho, às 19h daqui (15h do Brasil) estávamos na Victoria Station para encontrar o pessoal que ia com a gente.

A viagem não foi das mais fáceis. O banheiro do ônibus estava trancado e não seria aberto de jeito nenhum (o motorista fazia pequenas paradas ao longo do caminho) e as poltronas não eram as melhores do mundo. Mas deu pra dar uma dormida bacana até chegarmos no ferry boat onde todos tiveram que descer e se deliciar no free shop, nas lanchonetes e nos caça-níqueis por 1h30. SÉRIO, QUE DIVERSÃO! =D

De volta ao ônibus, faltava cerca de 300km pra Paris. O João resolveu tomar um vinhozinho enquanto lia um livro (eu estava dormindo, é claro) e… meia hora depois me acorda desesperado dizendo que precisava muito fazer xixi e que eu precisava pedir pro motorista a chave do banheiro. Eu ri da cara de desespero dele, porque rio quando fico nervosa, mas saí correndo pedir socorro. Implorei para o motorista abrir a porta e ele disse que era para o João ter paciência que pararíamos dali 10km. Dito e feito! Namorado aliviado, hora de voltar para a estrada! 😉

Parrí, Parrí

Chegamos em Paris e já era quase 11h de sábado. Como vocês viram aqui recentemente, ao invés de curtirmos a cidade corremos para Disneyland Paris, para passar o dia.

No caminho, vimos a Torre Eiffel e o comecinho da Champs-Élysées e só. O dia foi todo de Mickey Mouse e companhia – e foi demais!

Voltamos pra Paris perto da meia noite. Comemos um crepe de presunto e queijo, típico francês ,e fomos ver a torre iluminada. Aqui, pausa para os risos: há há há. Doce ilusão. Ela estava acesa quando paramos pra comprar o crepe. Quando chegamos perto dela tudo se apagou e foi-se embora o sonho de vê-la iluminada. =(

Antes de irmos para o hotel, porém, fomos para a Champs-Élysées e vimos o Arco do Triunfo iluminado. Liiindo!!!!

 

Apesar da cara de cansados (um dia de criança na Disney não é fácil. hehe), ver o Arco do Triunfo iluminado foi demais!
Apesar da cara de cansados (um dia de criança na Disney não é fácil. hehe), ver o Arco do Triunfo iluminado foi demais!

Eram quase 2h da matina quando deitamos no hotel… para acordar freneticamente às 10h atrasadíssimos para visitar o resto da cidade. =/

Só deu tempo de dar uma passadinha na Basílica de Sacré Coeur (maravilhosa, e com uma vista encantadora), no Louvre (para fotos turísticas, =/) e na Champs-Élysées – que estava lotaaada por causa da chegada do Le Tour de France (a principal corrida de bikes do mundo). Tínhamos que estar de volta ao hotel às 14h porque o ônibus saía esse horário. =(

Ah, mas é claro que paramos na tal da Ladurée, para provar os melhores macarons do mundo. E eles são absolutamente fantásticos. Uns sabores loucos e deliciosos e outros loucos e horrorosos, tipo um de flor que tinha gosto de purificador de ar de banheiro. Hahaha

Ficam as fotos de registro! 😉

As escadas que levam à Sacré Coeur são de matar, maaas...
As escadas que levam à Sacré Coeur são de matar, maaas…
... a vista lá de cima (e o interior da Basílica, que é incrível!), compensam o esforço.
… a vista lá de cima (e o interior da Basílica, que é incrível!), compensam o esforço.
Nós passamos longe do glamour da mais famosa rua de Paris. Com a chegada dos ciclistas que competiram no Le Tour de France foi impossível ver as grifes famosas.
Nós passamos longe do glamour da mais famosa rua de Paris. Com a chegada dos ciclistas que competiram no Le Tour de France foi impossível ver as grifes famosas. Fica pra próxima (ou não).
Apesar da correria, não podíamos ir embora sem provar os tais macarons da Ladurée
Apesar da correria, não podíamos ir embora sem provar os tais macarons da Ladurée
e, gente, valeu a pena, hein? que coisa mais incrível!
e, gente, valeu a pena, hein? que coisa mais incrível!
Pelo tempo curto, a visita ao Louvre também teve que ficar para a próxima (esse com certeza temos que visitar com calma!), mas a foto foi feita. =/
Pelo tempo curto, a visita ao Louvre também teve que ficar para a próxima (esse com certeza temos que visitar com calma!), mas a foto foi feita. =/

Logo vamos pra Escócia. Prometemos nos planejar melhor, já que vamos novamente com a UKstudy para poder curtir de verdade Edimburgo. 😉

As trips da UKstudy

Concluímos que as trips tipo bate-volta da UKstudy valem a pena pelo preço e por você conhecer uma galera bacana. No entanto, se você tem tempo para curtir bem cada cidade que vai visitar essa não é a melhor opção, já que é preciso correr bastanteee para poder fazer tudo de legal que as cidades oferecem.

Se você quiser saber mais, clique aqui e confira todas as opções de tours da UkStudy.

Um beijo e até o próximo post,

Nah.

Learning English in London: como escolher uma escola para fazer seu curso de inglês

Qualquer jovem brasileiro que deseja vir a Londres para estudar inglês tem, logo no início do planejamento da viagem, uma grande dúvida: em qual escola fazer o curso?

Normal, porque quando você começa a pesquisar na internet vê que as opções são infinitas, e que cada uma parece ter um ponto mais legal que a outra.

Antes de escolhermos a Rose Of York, passamos por um labirinto de opções. Para tomar nossa decisão, analisamos uma série de aspectos. Sugiro que você faça o mesmo. Se levar mais alguma coisa em consideração, escreve para gente contando!

1) Qualidade do ensino – esse pode ser o item mais difícil de ser analisado, mas uma boa maneira de conseguir tirar suas próprias conclusões é encontrar ex-alunos (a escola pode fornecer contatos de brasileiros, por exemplo) para saber de quem já esteve lá como são os professores e o material utilizado. A internet pode ser sua aliada nessa etapa. Procure comunidades das escolas que está analisando em redes sociais e encontre estudantes que poderão te dar mais informações;

2) Localização – Londres é uma cidade enorme e o preço do transporte varia de acordo com a região onde você mora/estuda. A nossa sugestão é: quer economizar com transporte? Estude e more na mesma zona (ou no máximo em zonas lado-a-lado – um e dois, por exemplo). Portanto, fique de olho nas zonas em que estão as escolas que estiver analisando e procure lugar para ficar perto delas;

3) Preço – não preciso nem falar da importância deste item, não é? Pode ser que você não saiba o que é caro e o que é barato em termos de curso. Por isso, não feche com a primeira escola que achar só porque ela parece barata. Analise os preços de diversas instituições e tenha parâmetros para definir o que é barato ou caro;

4) Brasileiros – nós não nos preocupamos muito com esse item, mas como eu sei que tem gente que se preocupa muito, ressalto aqui: algumas escolas estão lotadas de brasileiros. Se você não quer muito contato com o português, evite-as. Para saber como é a população de brasileiros, pesquise! Ligue na escola, converse com ex-estudantes, questione!;

5) Estrutura – uma escola tem computadores com internet gratuita e a outra não? Uma tem cantina e a outra não? Biblioteca? Leve tudo isso em consideração, pois agora pode não parecer importante, mas enquanto você estiver aqui pode sentir falta desses detalhes.

Com essas informações nas mãos, faça uma tabelinha comparativa e pontue cada escola. Sua decisão será muito mais sensata se você fizer isso!

A nossa escolha

Avaliamos tudo isso e escolhemos a Rose Of York. O preço estava bom (pagamos 945 libras cada um, por um curso de seis meses – preço de 2009 – UPDATE EM 19/02/2013 – CURSO QUE PAGAMOS £945 EM 2010 HOJE CUSTA £1850!), a escola é super bem localizada (5 min da estação Oxford Circus, no coração de Londres), a qualidade do ensino parecia boa (e é!) e tem pouco brasileiro – mesmo que isso não tenha sido fator importante para a nossa decisão. Além disso, tivemos a sorte de estudar com pessoas legais, que pouco a pouco estão se tornando nossos amigos!

Enquanto não tiramos fotos de lá, deixo vocês com algumas imagens que estão no site da escola e que dão uma ideia do que é a Rose Of York (amamos!!).

Por fora pode parecer que a escola é pequena, mas não é não. A estrutura é bem bacana. Acesse o site e confira: http://www.roseofyork.co.uk/
Por fora pode parecer que a escola é pequena, mas não é não. A estrutura é bem bacana. Acesse o site e confira: http://www.roseofyork.co.uk/
A cantina é um lugar bem agradável na Rose Of York, mas com o calor chegando a galera prefere ficar lá fora no intervalo!
A cantina é um lugar bem agradável na Rose Of York, mas com o calor chegando a galera prefere ficar lá fora no intervalo!

UKstudy

Aproveitando que o assunto de hoje é escola, apresento para vocês uma pessoa que foi fundamental para o sucesso do nosso planejamento na viagem: Luciano Baldauf, da UK Study.

O cara faz um trabalho que a princípio pode ter cara de golpe, mas eu juro que não é. Ele presta assessoria para estudantes que querem vir para cá e não cobra NADA. Sérião. Ele ajuda com os documentos para o visto, apresenta ofertas de escolas e tudo isso na maior “brodagem”. Super indicamos a assessoria dele!

Ainda tem alguma dúvida ou precisa de uma ajuda mais específica? Escreva para nós: contato@praveremlondres.com

Até o próximo post,

Natasha.