E a vida em Bolonha (?), como vai?

Faz pouco mais de uma semana que nos mudamos para a casa que será nosso lar definitivo até (pelo menos) o fim do ano (nossos primeiros 30 dias aqui tinham sido em um apê temporário, alugado pelo Airbnb). Com as coisas se acalmando, agora pude sentar para contar um pouco sobre como foram nossas (intensas) primeiras semanas de vida em Bolonha.

Leia também:

Primeiros dias em Bolonha em fotos e relatos

Teve coisa, viu. Desde aquele 12 de maio em que nos sentamos no bar que fica a 20m da entrada do prédio em que morávamos pra beber nosso primeiro Aperol Spritz (drink clássico do verão italiano) em terras bolonhesas, muito aconteceu.

Chegamos na tarde de uma sexta-feira ensolarada e no fim de semana não fizemos nada além de andar MUITO pelo charmoso centro histórico de Bolonha.

Bastou isso, aliás, para percebermos que escolhemos a cidade certa para iniciar nossa vida na Itália…

A verdade é que demos sorte de alugar um apartamento colado na Via del Pratello, que é uma das ruas mais boêmias da cidade. No “Pratello” (como apelidamos a rua), há bares e restaurantes com mesas na calçada por todos os lados!

E tem de tudo. De pasta fresca feita feita em sua frente por nonnas (daquelas mais clássicas), piadina e pizza em fatia a street food de frutos do mar, restaurantes veganos e orientais. De pubs de cerveja artesanal – inclusive, um da Brewdog, como a Nah contou neste post – a microenotecas, botecos baratos e bares de drinks – todos, sempre, oferecendo o tradicional petisco grátis no happy hour! Há quem diga que italians do it better. Essa tradição maravilhosa de dar comida de graça pra quem bebe, faz jus.

Em um mês, pudemos conhecer bem o centro histórico de Bolonha, e dá pra dizer que a região da Via del Pratello é nosso lugar favorito na cidade.

cerveja artesanal em bolonha - brewdog
Um das melhores cervejarias do mundo escolheu Bolonha pra abrir seu primeiro bar na Itália. Ele não fica NA via del Pratello, mas nos arredores.

Uma cidade para conhecer a pé ou de bicicleta

Em pouco mais de um mês de vida em Bolonha, só andamos de ônibus uma vez!

Para atravessar o centro histórico da cidade de leste a oeste, bastam 30/40 minutos de caminhada. Isso – e o clima da primavera – são um incentivo e tanto pra usar as próprias pernas para se locomover.

E, cá entre nós, tem coisa melhor que conhecer uma cidade a pé?

Tá, eu diria que conhecer uma cidade de bicicleta ganha, mas como ainda não compramos as nossas, falarei sobre como conhecer Bolonha sobre duas rodas daqui uns meses, combinado? Mas adianto que a cidade tem uma estrutura razoavelmente boa para pedalar – e tem muita gente pedalando.

bicicletas em bolonha

Caminhando e correndo

Por ainda estarmos sem bikes, começamos a correr – coisa que jamais tínhamos feito juntos antes. Eu até já participei de umas corridas de 10km há uns cinco anos, mas parei total desde que comecei a pedalar. Já a Nah nunca foi muito íntima do esporte, mas está curtindo.

O despertar da corrida foi algo legal que nasceu nesse primeiro mês morando na Itália. Não que seja essencial, mas mudar de ambiente ajuda muito a eliminar e/ou criar hábitos. 

vida em bolonha
No dia em que tiramos esta foto, caminhamos 10 km em meio a muito verde até a Basílica de San Luca com a Nica e Leo, amigos do coração e padrinhos de casamento. Esse é um passeio incrível pra quem curte caminhar pela natureza. A Basílica é linda e a vista da cidade vermelha no trajeto, impagável.

O drama para alugar uma casa. Ou, por favor, planeje-se!

Quando o fim da temporada no apartamento temporário começou a se aproximar, o desespero veio junto. A gente se viu numa enrascada. Parecia que nunca iríamos conseguir alugar uma casa! 

Pela internet, as imobiliárias não respondiam. Os contatos via Airbnb tinham se esgotado. Alguns safados tentaram nos aplicar golpes. Eu não tinha conta em banco, nem o tal do codice fiscale, essencial para qualquer contrato de aluguel. Pois é, tava complicado.

Pra piorar, meu italiano é sofrível. Eu estudei por dois anos, mas lá se vão uns 10 anos que fugi da escola. Está sendo como aprender de novo o pouco que eu sabia. Mas confesso que estou feliz com a sutil evolução do 1º para o 34º dia.

vida em bolonha

Esse, aliás, é um motivo importante para estarmos aqui. Sempre senti vergonha por ter um passaporte italiano e não falar a língua! E sei que posso falar o mesmo pela Nah, italiana em formação.

Mas, voltando aos pepinos, foi só nas últimas duas semanas antes de virarmos sem-teto que começamos a entender como tudo funciona e o que precisávamos fazer. Muito com a ajuda da Lu, a rainha de Roma, que edita o ótimo blog Roma pra Você. E da Dani, autora do a Bolonhesa, que reúne dicas preciosas sobre Bolonha, Emilia Romagna e vida na Itália. Elas nos ajudaram muito a entender a burocracia italiana. Valeu, meninas!

vida em bolonha

Pra encurtar a história do aluguel, tudo se resolveu. E de uma forma BEM inusitada. Pedimos ajuda pra Valentina, dona da casa em que moramos no primeiro mês. Ela é uma italiana da Sardegna de 30 e tantos anos que se divide entre New York e o mundo fazendo arte.

Ela nos apresentou a Elisa, uma amiga que estava alugando um apê por um tempo e que talvez pudesse fazer o tal contrato de aluguel, fundamental para que eu pudesse obter a residência. Acabou que ela não podia. Mas a Elisa nos indicou um amigo, que é um agente imobiliário – o Guido.

Arquitetura de Bolonha

Vida em Bolonha: Comunidade, confiança e amizade

E aí conhecemos um daqueles seres iluminados. Guido é um cara legal que ajuda amigos que têm casas para alugar, mas têm preguiça e/ou não entendem nada de internet. Ele comentou com a gente que uma família de amigos tinha uma villa (um casarão antigo) pra alugar em uma cidadezinhaZINHA situada a 30km de Bolonha.  

Foi aí que conhecemos o Gianluca, um bolonhês de 50 e tantos anos, gente boníssima, engenheiro, dono de um pastor alemão chamado Denzel (ou Denzelino) e um fervoroso, mas conformado torcedor do Bolonha, clube que já teve suas conquistas, mas vive na seca há anos.

A gente entende. Como torcedores do Coritiba, o verdão original, sabemos bem como é dura a vida de um torcedor de um clube médio, que luta contra os gigantes de cifras absurdas. É a vida. #vaipracimadelesverdão

Denzel
Denzel, o pastore tedesco. #saudadesDjandjan

Esse episódio foi muito legal porque nos fez sentir, de alguma forma, inseridos na comunidade local. Todas essas pessoas foram fantásticas com a gente. A Marcella, esposa do Gianluca, quase adotou a Nah. É sempre bom ter algo que faz com que você se sinta parte de algo, ainda mais quando você chega em um ambiente totalmente novo. Mas segura aí que depois eu termino a história de onde estamos morando.

A Toscana: Parte 1 – Cinco anos de casados

Um dos nossos grandes sonhos nesse início de vida italiana era celebrar nossos cinco anos de casamento com amigos em um fim de semana na Toscana.

Deu certo! E foi lindo – daqueles momentos inesquecíveis da vida. Nica e Leo, Carol e João, Marla e Josh, Thaís e Nick,  muito obrigado por estarem com a gente naqueles dias mágicos!

5 anos de casamento na toscana

Alugamos uma casa épica no Airbnb, bebemos bem, comemos MUITO bem, rimos, dançamos, cantamos e choramos com a cerimônia linda que a Nica organizou. Se você tiver vontade de saber mais sobre como foi esse evento, comenta ali embaixo que a gente conta em um post futuramente.

Por do sol na toscana
Registro espetacular do nobre amigo João Pens. Sugiro que você acompanhe as fotos dele no Instagram: https://www.instagram.com/joaopens/

O trabalho: novos projetos surgindo

Outro motivo importante para termos vindo para a Itália é o trabalho. Há tempos estamos tentando criar um projeto que possa combinar o trabalho que fazemos na London, nossa agência de marketing de conteúdo, com viagens e o desejo pessoal de fincar raízes temporárias em diferentes culturas.

Faz uns três anos que pensamos nisso e trabalhamos para encontrar o modelo ideal. Tem a ver com caçar tendências, cobrir eventos, conhecer histórias de empresas inovadoras e transformar isso em conteúdo multimídia para nossos clientes e futuros clientes – empresas interessadas em contar boas histórias, educar seu mercado e gerar valor para seus clientes e futuros clientes por meio do conteúdo.

No ano passado, já com a ideia na cabeça, mas ainda sem saber bem o que fazer com ela, eu escrevi uma reportagem para a VendaMais, revista que editamos, contando a história de uma imersão de negócios que fizemos no Vale do Silício.

Visita ao Facebook - Palo Alto
Em nossa visita ao Facebook, em Palo Alto, fomos recebidos por uma brasileira que trabalha com big data na rede social. Tivemos debates bem interessantes sobre as tendências na comunicação virtual.

Em paralelo a isso, também gravamos vários vídeos durante o Content Marketing World 2016, maior evento de marketing de conteúdo do mundo, que acontece todo ano em Cleveland.

Content marketing World - Unmarketing - scott strattenjpg
Na edição 2015 do CMW, eu havia comprado esse (ótimo) livro que fala sobre uma nova forma de vender e se relacionar com clientes. Em 2016, assisti uma palestra, conversei com o autor e ganhei uma cópia com dedicatória. Quão legal é isso? =D

Essas duas atividades foram fundamentais para dar a base para o projeto que vamos começar a tirar do papel, em Bolonha (e pela Europa), nas próximas semanas. Quando tivermos novidades a respeito, compartilharemos por aqui.

Uma das coisas que aprendi sobre empreendedorismo com um engenheiro da Netflix no Vale, foi que a grande ideia de um bilhão de dólares é um mito. Escrevi sobre isso e muito mais na matéria. Você pode ler aqui. =)

Vida no mato-2
Reunião com cliente às 22h é algo que aprendemos a nos acostumar. Faz parte.

A Netflix não acredita na ideia de um bilhão de dólares que vai surgir da noite para o dia e revolucionar o planeta, mas em pequenas melhorias diárias baseadas em decisões e ações rápidas, mesmo que sutis, mas que, com o passar do tempo, fazem com que a empresa possa permanecer relevante e competitiva em um dos mercados mais acirrados do planeta.

A inovação faz parte do dia a dia. Não é um ato isolado.

Na prática, ao longo dos últimos sete anos aprendendo diariamente a empreender, percebemos o mesmo por aqui. Foi bom conhecer um pouco sobre a cultura da Netflix e ver que, de certa forma, compartilhamos de uma visão parecida.

golden gate bridge - san francisco
Fazer uma imersão na cultura do Vale do Slício por alguns dias nos ajudou a construir a ideia de como imaginamos o futuro da nossa empresa

Estou sendo bem simplista aqui pra não me arrastar muito no papo sobre empreendedorismo, mas o projeto que estamos construindo agora começou a ser desenhado, lapidado e amadurecido há mais de três anos. Para criar algo de valor é preciso tempo, suor, grana, sorrisos, lágrimas e uma maturação natural do projeto – principalmente quando se tem vários pratos para equilibrar ao mesmo tempo – como é o nosso caso com a London. Todo o resto, é discurso de palco. 

A Toscana: Parte 2 – O Val d’Orcia com os padrinhos

Ainda no primeiro mês, deu tempo de fazer uma viagem mágica por uma das mais belas regiões da Toscana. O Val d’Orcia é a “casa” do aclamado Brunello di Montalcino, o clássico vinho produzido com as uvas Sangiovese, predominantes na região.

Pienza - Val d'Orcia - Toscana - Italia-2
É no Val d’Orcia que a Toscana “imprime” boa parte de seus cartões postais

Mas não é só de vinho que vive essa joia toscana. Incríveis e incontáveis vilarejos medievais para explorar, estradas que representam a Toscana clássica das clássicas, águas termais gratuitas e muita comida boa. O Val d’Orcia é mais um exemplo perfeito do #italiansdoitbetter. Aliás, acho que essa # será bem presente por aqui. ;)

Pienza - Val d'Orcia - Toscana - Italia
Pienza é fascinante.

Vamos falar mais essa viagem em breve, mas se tiver viagem marcada, tome nota de Pienza, Montepulciano e Bagno di San Fillipo, três pontos imperdíveis dos vários do trajeto. A gente passou por oito cidades em dois dias, tempo suficiente para conhecer vários lugares legais. 

Val d'Orcia - Toscana - Italia

Bem-vindo a uma “vida no mato”

O Gianluca, (lembra dele?) nos levou para conhecer a casa em que estamos morando na semana passada, cinco dias antes de mudarmos. É um casarão do século XIX, de três andares, que ele dividiu em três apartamentos (um por andar), sendo que o último (o nosso) é destinado a aluguéis de longo prazo – e os de baixo para festas e eventos de fim de semana. O preço era o melhor que tínhamos visto até então – 490 euros por mês, fora as contas. Tchau vida em Bolonha?

Vida no mato-6
Registro do nosso primeiro sábado na #casadomato, feito pelo amigo blogueiro (e primeiro hóspede) Jr Caimi, do Tip Trip: http://www.tiptrip.com.br

Pesamos muito a decisão de sair de um pequeno apartamento no CENTRO de Bolonha para uma casa gigante com um quintal cheio de árvores em uma CIDADEZINHAZINHA que fica a 35 minutos de trem da capital da Emilia Romagna. Por uma vida mais simples, econômica, focada e propícia a criatividade, decidimos “correr o risco” de viver de uma forma BEM diferente de todas que já vivemos.

Vida no mato-4
Primeiro sábado na casa nova

Galliera, nossa cidade, tem cinco mil habitantes. Um bom supermercado. Uma feira de rua às quartas-feiras. Duas sorveterias. Duas cafeterias. Uma padaria. Uma tabacaria. Um restaurante. Zero bares. Um banco. Uma agência de correio. Muitas crianças e idosos. Poucos jovens. O ciclo da vida fica evidente aqui. Tão  logo os jovens ganham independência, se mandam.

Ficaremos aqui, pelo menos, até dezembro (provavelmente mais). Nosso dia a dia será cercado de muito sossego, pássaros cantando, trabalho e viagens. Estamos animados com a ideia de passar mais tempo ao ar livre, correndo pelas plantações diversas que compõem o cenário no entorno nossa casa, pedalando por estradas rurais ou lendo debaixo de uma árvore do nosso quintal.

Mas, por outro lado, chegar em Bolonha é muito fácil. Não estaremos com o pé no centro, mas os 35 minutos não são nada se você comparar com a logística interna de uma cidade como Londres, por exemplo. Além disso, a bela Ferrara fica a menos de 15 minutos de trem. Definitivamente, não estamos isolados!

O nosso plano, além de realizar nossos projetos de trabalho, é aproveitar os fins de semana pra viajar por cidades da região – Modena, Parma, Reggio Emilia e Rimini (litoral) são algumas das cidades que ficam a um pulinho daqui – e conhecer mais da Itália. Temos planos de viajar muito por aqui nos próximos meses. E, se você quiser, pode vir com a gente. Basta nos acompanhar por aqui ou pelas nossas redes sociais.

E aí, vamos juntos? :)

Acompanhe a gente nas redes sociais! 

Twitter  |  Facebook  |  Instagram

Youtube

Leia também

Primeiros dias em Bolonha em fotos e relatos

Viva sua própria aventura, seja ela qual for

A gente anda um tanto sumido aqui do blog, é verdade. Não é a primeira vez que ficamos longas semanas sem escrever e – possivelmente – não será a última.

A desculpa é a mesma de sempre. O trabalho principal, com nossa agência de marketing de conteúdo, tem tomado conta de boa parte de nosso tempo e – sendo franco – depois de ficar longas horas sentado em frente ao laptop fritando o cérebro, o que mais queremos é distância do tec tec das teclas quando “fechamos o escritório”.

Saudade de escrever aqui a gente sente todo dia, acredite. Mas tem horas que é preciso priorizar, focar, abrir mão, fazer escolhas – e viver com isso.

Por alguns anos a gente alimentou o sonho de viver do blog, fazê-lo ser nossa principal fonte de renda, mas a blogosfera testou nossa paciência. Tivemos algumas decepções com esse mercado e decidimos não levar mais a carreira de blogueiros tão a sério. Até temos algumas ideias e projetos bem legais, mas nada que será tratado como prioridade – ao menos no curto e médio prazo.

O que é bom, porque isso nos tirou algumas amarras e pressões que nós mesmos nos colocávamos sobre TER que postar algo, TER que interromper momentos legais de uma viagem para registrar isso ou aquilo. Em nossa última viagem – para o Uruguai, no Carnaval – relaxamos como há tempos não relaxávamos simplesmente porque deixamos de lado as “obrigações” de blogueiro.

noite estrelada no container - playa atlantica - uruguay - aventura
Tentativa – quase frustrada – de permanecer imóvel para uma exposição de 30 segundos em uma das noites mais lindas da vida em algum lugar no litoral do Uruguai

De certa forma, foi um grito particular de liberdade

Não vamos deixar de escrever e nem abandonar o blog. A gente ama esse nosso filhão que completa sete anos de vida este mês. É mais uma coisa de não se preocupar tanto com o calendário de posts fixado na parede do escritório que está na minha frente, bem atrasado, agora mesmo.

Grandes mudanças estão por vir em nossas vidas. Será mais um episódio da vida semi-nômade, que eu expliquei aqui, quando ainda não se ouvia falar do “largue tudo, seja um nômade digital e viva da internet”. Tenho calafrios com gente irresponsável que vende falsas verdades e destrói sonhos.

→ Se você se interessa por nomadismo digital de forma séria, planejada e realista, recomendo o Pequenos Monstros. Eles tratam do tema de forma responsável. Tome cuidado com os pseudos gurus da internet. Tem muitos por aí!

Vida de nômade digital - trabalhando no aeoroporto
Aeroporto é sempre sinônimo de escritório pra nós

Dolce far niente (mas nem tão niente assim)

Em maio vamos nos mudar para a Itália para escrever um novo capítulo de nossa vida viajante. O país está em nossos planos há anos. Pra mim, é uma vontade que indiretamente sempre esteve presente em razão de raízes familiares, mas que foi crescendo desde que fomos pra lá pela primeira vez, em 2010.

Quando decidimos virar a página de Londres, a vontade de fixar raízes – temporárias ou não – na velha bota veio forte. Começamos a planejar essa mudança há mais de um ano.

A ideia inicial era ir para Florença, cidade que nos encantou, mas nas primeiras pesquisas vimos que viver lá não seria muito mais barato do que morar em Londres. Aí, entre pesquisas e conversas com amigos e bartenders italianos que encontrávamos nos bares londrinos sobre qual seria a cidade ideal, chegamos a Bologna.

por do sol em florença
Pôr do sol ao fundo do rio Arno, em Florença

Nossa vontade era encontrar uma cidade pequena, mas bem estruturada, com clima bom em boa parte do ano, bem localizada, com fácil acesso para viajar, que tivesse um custo de vida que coubesse no bolso, comida boa, lugares legais para pedalar e por aí vai. Esqueci de algo?

Ah, sim. Em dado momento, quando eu já estava bem inclinado a Bologna, mas a Nah ainda considerava alternativas, ela falou que só se mudaria pra lá se tivesse um bar da Brewdog, uma das melhores cervejarias do mundo.

E não é que tinha? :D

O mais curioso é que, além da inusitada Bologna, só Firenze abrigava a Brewdog na Itália. Mais tarde, abriu um bar da cervejaria em Roma também.

Foi uma piada dela, claro, mas vimos como um sinal do destino. Batemos o martelo e é pra lá que vamos, mas de coração aberto para mudar a rota se por algum motivo, la gorda – como a cidade é conhecida, por motivos óbvios – não nos conquistar.

É louco decidir, por conta própria, mudar para uma cidade em que você nunca pisou, mas depois de ir e vir algumas vezes para lugares diferentes, esse tipo de mudança passou a fazer parte da nossa vida.

Desapegar é difícil, mas preciso

Acho que falar sobre os porquês e os benefícios que essas mudanças de cidades e países nos trouxeram nos últimos anos é tema para aprofundar em outro texto, mas a verdade é que mudar é bom. Simples assim.

Nem sempre é fácil, é verdade. Toda mudança exige muito de nós. Mas o que eu sinto é que a gente cresce sempre quando muda algo que incomoda. E quando falo “a gente”, incluo você também.

Como bem diria Barney Stinson do seriado How I met your mother:

via GIPHY

Eu não estava planejando escrever esse texto. A ideia veio durante a leitura do livro Na natureza selvagem, de Jon Krakauer, clássico da literatura viajante que inspirou o filme homônimo e que é daqueles que mexem com os sentimentos e nos faz questionar verdades inquestionáveis que carregamos.

A gente assistiu há cerca de nove anos, ainda no cinema (matando aula na facul para um de nossos encontros “proibidos” #momentolovestory). Mas só agora parei pra ler a obra que o inspirou. Se você ainda não viu/leu, recomendo que veja/leia.

Depois que li uma carta escrita por Alex (personagem principal da história) para um senhor de 80 anos que se tornou um grande companheiro de estrada por algumas semanas foi quando, precisamente, senti que precisava compartilhar essa história com você.

yosemite national park - california
Fascinado pela estonteante beleza do Yosemite National Park – Califórnia

O jovem que, cansado do mundo, largou tudo para viver uma aventura épica consigo mesmo, escreveu a Ron um recado que também é importante pra mim e pra você.

“Acho que você deveria realmente promover uma mudança radical em seu estilo de vida e começar a fazer corajosamente coisas em que talvez nunca tenha pensado, ou que fosse hesitante demais para tentar. Tanta gente vive em circunstâncias  infelizes e, contudo, não toma a iniciativa de de mudar sua situação porque está condicionada a uma vida de segurança, conformismo e conservadorismo, tudo isso que parece dar paz de espírito, mas na realidade nada é mais maléfico para o espírito aventureiro do homem que um futuro seguro.
A coisa mais essencial do espírito vivo de um homem é sua paixão pela aventura. A alegria da vida vem de nossos encontros com novas experiências e, portanto, não há alegria maior que ter um horizonte sempre cambiante, cada dia com um novo e diferente Sol. Se você quer mais de sua vida, Ron, deve abandonar sua tendências à segurança monótona e adotar um estilo de vida confuso que, de início, vai parecer maluco para você. Mas depois que se acostumar a tal vida verá seu sentido pleno e sua beleza incrível. (…) Não hesite nem se permita dar desculpas. Simplesmente saia e faça isso. Você ficará muito, muito contente por ter feito. “

Alex Mc Candless em Na natureza selvagem

É um texto forte. É fácil, muito fácil, nos vermos presos à rotina. Não que a rotina seja algo ruim. Eu gosto de ter um (aparente) controle da maior parte do tempo. Ter horário pra dormir, acordar, trabalhar,  pedalar etc. A rotina ajuda a equilibrar a vida. Mas o problema, ao meu ver, começa quando a vida passa a acontecer de forma automática, tipo assim:

via GIPHY

É difícil não cair no clichê, mas eu também não sei por que sempre que falamos em clichê sentimos essa necessidade de nos defendermos e praticamente pedimos permissão para falar sobre. Clichês são clichês porque fazem parte da vida, oras!

De nossa vida só ficará a história que escrevemos

Qual foi a última vez que você se desafiou a fazer algo diferente? Algo que te assusta? Não precisa ser algo como largar tudo e viajar pelo mundo. Pode ser começar a praticar um esporte, empreender, falar aquilo que você sempre quis falar pra alguém, mas nunca teve coragem.

Seja o que for, lembre-se das palavras de Alex. Ele pode ter tido um final trágico em razão de seu grito de liberdade, é verdade, mas o seu legado, quase 30 anos depois, ainda inspira milhares de pessoas em todo o planeta.

Viva sua própria aventura, seja ela qual for. A nossa próxima começa em pouco mais de um mês!

Acompanhe a gente nas redes sociais! 

Twitter  |  Facebook  |  Instagram

Snapchat (praveremlondres)  |  Youtube

A vez em que eu pedalei 500 km entre o Natal e o Ano Novo

Em 2009, um inglês chamado Graeme Raeburn quis aproveitar o tempo livre entre o Natal e o Ano Novo para viver como um ciclista profissional. Ele se desafiou a pedalar 1.000 km entre os dias 24 e 31, ano em que a Inglaterra teve um inverno congelante – nas palavras dele: “não temos muitos natais com neve, mas 2009 foi um deles.” 

O motivo para realizar a missão?

“Apenas porque pensei ser uma distância razoável”, conta o ciclista. Graeme completou o desafio, mas ao final, sentiu que era uma distância desnecessária, antissocial e mais punitiva do que festiva.

Ele trabalha como designer na Rapha, uma marca inglesa que em 2004 iniciou sua história produzindo roupas e acessórios para ciclistas, mas que hoje, mais do que uma marca, é uma comunidade global de apaixonados pelo ciclismo de estrada.

Como especialista em marketing de conteúdo, tenho o trabalho deles como referência. As histórias que a Rapha escreve e compartilha são lindas, bem como a forma como envolve sua comunidade nos quatro cantos do mundo e cria produtos e serviços que vão desde meias, passam por cafeterias, clubes e viagens épicas. Se você gosta de estudar marcas, posicionamento, branding, conteúdo e empreendedorismo, assista The Rafa Why.

rapha festive 500

Nascia uma tradição

Foram os insanos 1.000km de Graeme e uma cultura empresarial que entende, vive e respira sua comunidade que inspiraram a marca a criar, em 2010, o Rapha Festive 500, um desafio anual cujo objetivo é “reunir” ciclistas do mundo todo e motivá-los a concluir a metade dos km de Graeme no mesmo período, distância que, segundo os idealizadores do #Festive500, foi considerada “mais alinhada com o que alguns profissionais, de fato, fazem e mais sensata, mais atrativa/realizável”.

Empatia é fundamental

No primeiro ano apenas 94 ciclistas participaram. Mas não demorou para o charme do evento, o desejo de superar um desafio numa época atípica e o marketing da Rapha transformarem o giro de fim de ano em uma tradição seguida por milhares de ciclistas em todo o planeta.

Em 2016 foram 82.374 mil inscritos. Nem todos concluíram, é verdade, mas isso é o que menos importa. Os dados completos do desafio do ano passado ainda não saíram, mas em 2015, de 72 mil inscritos, pouco mais de 13 mil finalizaram. 

Rodar 500 km em oito dias significa manter uma média de 62,5 km por dia, durante os oito dias. Algo desafiador, mas administrável para quem tem uma rodagem no esporte.

ciclismo de longa distância

Eu estive entre eles

Estou longe de ser um atleta que compete em alto nível, mas tenho um bom ritmo de pedal. Participei de dezenas de provas de mountain bike com distâncias entre 30 km e 60 km nos últimos seis anos e, em 2016, concluí duas provas de estrada memoráveis de 200 km, organizadas pelo Audax Curitiba.

Mas mesmo tendo uma quilometragem razoável no currículo, honestamente não achava que conseguiria atingir a meta. Eu nunca havia pedalado tanto por tantos dias seguidos antes. Isso, somado ao fato de que que tinha Natal e fim do ano velho no meio de tudo, me deixou na defensiva. Eu sabia que teriam que ser sete, talvez seis dias de bike. Ainda assim, decidi me desafiar.

Era algo que eu precisava e que fazia parte de um projeto pessoal de ser um melhor realizador do que idealizador. Tenho um péssimo hábito de ter muitas ideias para projetos, mas acabo largando muita coisa pelo caminho. Isso tem me incomodado muito ultimamente. Concluir o Festive 500 era, portanto, uma etapa importante desse plano de mudança/evolução.

O esporte ensina muito sobre a vida e nos faz mais fortes mentalmente

Essa aventura especificamente, que foi dura na mesma proporção que foi gratificante, me ensinou bastante. E sobre diversos “temas”: como lidar com a dor, planejamento, os benefícios práticos e diretos de uma alimentação equilibrada, foco, sonhos, corpo, mente e vida. Aprendi, também, sobre porque fazer loucuras é fundamental para manter a sanidade.

Resumindo, foi uma “viagem” de autoconhecimento.

mountain bike - desafio dos rochas
Desafio dos Rochas, prova que acontece anualmente no entorno de Pomerode-SC, cidade que faz parte do Vale Europeu

Quer saber o que eu aprendi e, claro, se eu consegui concluir os 500 km?

Eu registrei todos os dias que saí pra pedalar com a GoPro. Ao fim, editei um documentário com o resumo da jornada.

E hoje quero compartilhar essa história com você. Espero que goste e que, de alguma forma, o vídeo te inspire. Não falo só sobre o pedal, mas também sobre coisas que acredito e revelo uma grande novidade do blog. Dá o play: 

Feliz Ano Novo. Que em 2017 você tenha muita saúde e motivos pra sorrir.

P.S: Deixa um comentário aqui ou no YouTube dizendo o que achou do vídeo? Seu feedback é fundamental pra gente encontrar a melhor forma de compartilhar nossas histórias com você.  

Quer ler mais histórias sobre ciclismo, cicloturismo e viagens?

Dois meses na Califórnia em fotos e relatos

Estamos quase no fim de uma viagem de 60 e tantos dias pela Califórnia. É hora de colocar uma trilha sonora legal no Spotify (Greg Graffin rolando aqui), rever as mais de quatro mil fotos feitas ao longo de uma viagem que há anos sonhávamos em fazer – de minha parte, eu diria que há pelo menos 15, muito inspirado pela cultura do punk rock/hardcore californiano que me acompanhou em toda minha adolescência – e continua presente. Inclusive, no último sábado, pegamos um show épico que reuniu NOFX, Bad Religion, Goldfinger e Reel Big Fish. Foi louco!

bandeira-dos-estados-unidos-e-bandeira-da-california
Padrão de cor do céu californiano

A Califórnia nos recebeu com todo seu astral e nos presenteou com o melhor de seus sonhos

Respira e vai.

Teve Disney, cidade no meio do nada como base de escritório, voo noturno pra Cleveland (Ohio), evento de marketing de conteúdo, cerveja em San Francisco, imersão no Silicon Valley, pedal na Golden Gate Bridge, a viagem de carro mais incrível de nossas vidas, decepção no trecho mais esperado, pedal pela costa do Pacífico, muitos vinhos no Napa – o primo mais famoso – e em diversas outras regiões vinicultoras do estado, Yosemite (ou um dos lugares mais espetaculares da Terra), brunch, muito trabalho, hotel de beira de estrada, muita cerveja artesanal, preciosas surpresas, 16 hotéis (!), duas casas do AirBnb, muito pôr do sol na praia, a companhia de um amigo querido (e de sua esposa, que conhecemos nessa viagem) por quase uma semana, muitas trocas de ideias, reflexões e projetos sendo maturados.

Teve muito amor, sobretudo.

Ufa.

Napa Valley: uma das paradas dos mais de 3mil km de estrada rodados.
Napa Valley: uma das paradas dos mais de 3mil km de estrada rodados.

São muitas histórias para contar sobre tudo o que vimos e fizemos. Na medida do possível, vamos escrevendo sobre. Já tem post sobre hotel para a Disney de Anaheim no ar e outro sobre Venice Beach no forno. Vão rolar alguns vlogs também. Um de San Francisco já está em edição, inclusive.

E pra começar essa série que vai nos acompanhar no blog por vários meses, quero mostrar um resumo geral de nossa viagem. Separei algumas das fotos que mais marcaram nossos dias pelo estado dourado e contei um pouco do que fizemos. 

California dreaming

No “baile” de punk rock que fomos, John Feldmann (49 anos), vocalista do Goldfinger, falou que nasceu, cresceu e sempre morou na Califórnia. “Por que faria diferente?”, provocou.

pedal-monterey-carmel-17-mile-drive
Esse é o trecho entre Monterey e Carmel, um dos mais bonitos do trajeto dos quase mil km entre San Francisco e San Diego. Reconhece a ciclista? ;)

Nessa hora, há mais de 40 dias na estrada, a gente já estava completamente apaixonado pela Califórnia e a troca de olhares foi inevitável. Preciso dizer que já começamos o plano sobre quando vamos morar aqui por um tempo maior? ;)

A Califórnia se impõe por ser a sexta maior economia do mundo (sim, o PIB deles é maior do que o da França, Índia, Itália e Brasil) e conquista por ser um paraíso que – perdoe-me Samuel Johnson e sua mítica frase sobre Londres – tem tudo o que um homem pode querer.

Sol quase infinito, qualidade de vida, oportunidades. Tudo isso em meio a paisagens inacreditáveis, praia, montanha, deserto e neve. Boa comida, vinhos extraordinários e algumas das melhores cervejas do mundo. Precisa mais? Se você disser que sim, arrisco dizer que tem também. ;)

venice-beach-los-angeles-california-3
Um domingo de outono em Venice Beach, Los Angeles

Resumo de nossa viagem de dois meses na Califórnia

Assim que chegamos em Los Angeles fomos para um hotel em Anaheim (que é ótimo para quem vai aos parques) porque os dois dias seguintes seriam dedicados à Disneyland.

disney-na-california-los-angeles
Dedicamos um dia para cada parque. Curti muito os dois, mas se for pra escolher um, ficaria com o Disney California Adventure Park por brinquedos como o do Toy Story, por ter cerveja artesanal e, principalmente, pelo surreal show de encerramento.

Da Disney para uma base de trabalho remoto 

Depois da Disney, nosso destino pelas próximas cinco noites foi Ontario, cidade mais barata que encontramos na região de Los Angeles. Não queríamos muitas distrações porque seria (e foi) uma semana de muito trabalho. Como não estávamos em férias em nenhum momento durante a viagem, tivemos que nos desdobrar para manter a agenda de trabalho em dia e aproveitar a viagem. É nessas horas que você aprende muito, na prática, a ser mais produtivo e a trabalhar menos e melhor. 

trabalhando-no-hotel
Nunca trocamos tanto de escritório como nessa viagem. As horas no hotel eram muitas vezes assim

Para não dizer que Ontario não valeu de nada em termos de experiência de viagem, pudemos pegar um solzinho bom na piscina do hotel e fazer reuniões na jacuzzi. Nada mau, né? Ah, e foi em Ontario que conhecemos o nobre camarada Denny’s, uma rede de diners espalhada por toda a Califórnia que acabamos indo várias vezes. O combo de panqueca com bacon deles é daqueles…

onde-comer-na-california-dennys
Temos muitas dicas de onde comer na Califórnia. Quer?

Até breve, Califórnia… 

No dia 9 de nossa viagem embarcamos para Cleveland (Ohio) para participar do Content Marketing World, mais importante evento do mundo em nosso segmento. É o terceiro ano consecutivo que vamos para lá para absorver muito conhecimento, ter ideias e evoluir nossos negócios.

Antes de embarcar pra Cleveland, porém, deu tempo de dar uma passadinha em Venice, a mais clássica das clássicas praias californianas. O post completo sobre nosso dia por lá está em produção.

venice-beach-los-angeles-california-14

Como um de nossos objetivos na viagem era conhecer várias das incontáveis cervejarias artesanais da Califórnia – missão cumprida, aliás – sempre estávamos em busca das nossas favoritas e de boas surpresas pelo caminho. Em Venice, além de um bar de frente pra praia, fomos no resturante da Firestone, uma das pequenas gigantes do estado dourado. Excelente lugar para provar todos os rótulos deles, inclusive sazonais e edições limitadas, e comer muito bem.  

firestone-cerveja-artesanal-california
O que não faltou nessa viagem foi visita a cervejarias e bares. A lista é grande e (muito) boa

… Olá, Cleveland

Em Cleveland, ficamos muito envolvidos com o CMW. Foram dois dias imersivos nos mais variados temas ligados ao Marketing de Conteúdo. Na edição de janeiro da VendaMais, revista de que somos editores, sairá a cobertura completa.

Se você se trabalha com ou se interessa por vendas, recomendo que faça a assinatura. Você recebe um exemplar a cada dois meses. A gente faz essa revista com o maior carinho do mundo. ;)

content-marketing-world
Registro feito no fim dos dois dias de Content Marketing World

Como ficamos uns dias a mais em Cleveland, pudemos repetir alguns dos restaurantes favoritos na cidade (até hoje nunca na vida comi uma asinha de frango melhor que a do Harry Buffalo), conhecer novos bares de cerveja artesanal e atrações que ainda não tínhamos ido, como o extraordinário Rock & Roll Hall of Fame.

O museu do rock é uma preciosidade. Você faz um passeio pela história da música. A exposição permanente é linda, repleta de preciosidades como instrumentos e figurinos originais das principais bandas e artistas do século XX e XXI e obras como essa que representa The Wall, do Pink Floyd.

rock-n-roll-hall-of-fame-cleveland

Chegada em San Francisco

Depois de seis noites em Cleveland, tomamos nosso rumo de volta para a Califórnia.

San Francisco seria a base pelas próximos seis noites. Nosso objetivo central era fazer uma imersão no Vale do Silício com um grupo de empresários brasileiros. Foi uma experiência e tanto! Visitamos grandes empresas – como Salesforce e Facebook, conhecemos empreendedores brasileiros que estão ralando para fazer suas startups decolarem, participamos de eventos de networking, conhecemos incubadoras de startups e projetos incríveis, fizemos bons contatos e aprendemos muito sobre empreendedorismo, inovação, gestão e execução. O resultado dessa jornada também será publicado na VendaMais de janeiro de 2017.

sede-do-facebook
Uma das atividades que fizemos foi visitar o Facebook e conversar sobre tendências nas redes sociais com uma brasileira que trabalha na empresa

Mesmo em a correria insana que foi a semana, deu pra conhecer um pouco de SanFran. Não como gostaríamos, mas foi o suficiente para realizar o sonho de atravessar a Golden Gate Bridge de bike, conhecer Alcatraz, provar grandes cervejas, visitar alguns cantinhos da cidade e começar a sentir o clima do California dream.

pedal-em-san-francisco-golden-gate-bridge

San Francisco ganhará uma atenção especial no blog futuramente com dicas do que fazer e onde ficar.

san-francisco

Terminada nossa estada em SF alugamos um carro com a Rentcars e iniciamos nossa sonhada viagem, que inicialmente seria “apenas” pela costa do pacífico até San Diego, mas acabamos incluindo uns dias na região do Napa Valley, a meca dos vinhos californianos, e um no Yosemite National Park, onde a natureza emociona e inspira.

napa-valley-3
Visual deslumbrante do Napa Valley
yosemite-national-park-california-estados-unidos-2
Yosemite National Park e toda sua exuberância

Já na região onde nos hospedaríamos para, nos dias seguinte, conhecer as vinícolas do Napa e arredores, nossa primeira parada foi a Lagunitas Brewing, uma das mais relevantes cervejarias artesanais dos Estados Unidos. Grande estrutura e cervejas impecáveis.

Futuramente vamos contar em detalhes nossa jornada cervejeira na Califórnia. Você deve imaginar que não foram poucos os bares e cervejarias que visitamos, né?

lagunitas-petaluma-cervejaria-artesanal-california
Visitar cervejarias na Califórnia foi uma das atividades que mais repetimos na viagem

2 dias respirando os ares dos vinhos do Napa Valley e região

Dedicamos dois dias ao Napa Valley. No primeiro, conhecemos Sonoma e percorremos de carro a Highway 29, a estrada principal do Napa Valley, que é cercada por uma infinidade de vinícolas. Os vinhedos estão, literalmente, na beira da estrada. Não vou me estender nos detalhes e dicas porque isso ficará para um post exclusivo.

napa valley - vinhos na california

No segundo dia, fomos para o Dry Creek Valley, vizinho menos famoso do Napa, que concentra uma quantidade menor de vinícolas. O legal é que se tratam de pequenas propriedades de produção orgânica. Fizemos ali um dos pedais mais inesquecíveis da vida. Foram cerca de 40km por uma estrada tranquila e cercada por vinhedos. Fizemos um bate-volta até uma vinícola que servia seus vinhos em uma caverna construída abaixo dos vinhedos. Foi um dia e tanto.

pedal-regiao-dos-vinhos-california-dry-creek-valley
Objetivo do pedal: visitar uma vinícola orgânica, degustar seus vinhos e voltar. Missão cumprida com louvor!

Em meio a um destino e outro, sempre tentamos encaixar um ou dois dias 100% dedicados ao trabalho. O escritório foi muitas vezes um Starbucks qualquer ou o quarto do hotel.

hotel-em-cleveland-hampton-inn

A beleza inexplicável do Yosemite National Park

Depois de degustar bons vinhos no Napa e região rumamos para o Yosemite National Park. Sabíamos que o lugar era lindo, mas quando chegamos lá foi difícil conter a emoção. Faltam palavras para descrever a beleza de um dos parques mais importantes do país, mas tentaremos fazer isso em um post futuro.

yosemite-national-park-california-estados-unidos-3
A impressionante sequoia gigante

Depois de, infelizmente, apenas um dia no parque, era hora de voltar para a costa e começar a sonhada viagem pela Highway One, a mítica estrada que percorre todo o litoral da Califórnia. No caminho, ainda paramos em vilarejos com cara de velho oeste que tiveram seu auge na corrida do ouro no século XIX, episódio que marcou o início da ascensão do estado. 

Rumo ao litoral

Nossa primeira parada foi Half Moon Bay, uma cidade praiana de vida tranquila ao sul de San Francisco. Ficamos algumas horinhas na praia, almoçamos, conhecemos uma cervejaria e partimos.

half moon bay - california.jpg

No fim do dia, chegamos a Monterey, onde ficamos três noites para conhecer a cidade e sua vizinha Carmel, uma das mais charmosas do roteiro.

monterey-california
O simpático centrinho de Monterey

Cicloturismo na Califórnia: o lugar mais lindo em que pedalamos na vida

Nesse trecho fizemos mais um passeio de bike que ficou pra história. Percorremos os espetaculares 30km da 17 mile drive entre Monterey e Carmel. Seguramente, foi a estrada mais linda em que já pedalamos.

Fica tranquilo porque vai rolar post detalhado sobre esse pedal.

monterey-carmel-de-bicicleta
O cicloturismo é minha modalidade favorita de turistar. Realizei um grande sonho ao pedalar nessa estrada.

A grande decepção ao chegar no Big Sur

Depois de três dias incríveis entre Monterey e Carmel, partimos para a parte mais esperada da viagem de carro pela costa da Califórnia: o Big Sur. Mas como nem sempre a sorte acompanha os viajantes, os desfiladeiros nos receberam com uma névoa que impedia qualquer possibilidade de ver o cenário.

O cenário do Big Sur se transformou numa infinita cama de nuvens
O cenário do Big Sur se transformou numa infinita cama de nuvens

Foi bem triste, de verdade. Não pudemos ver absolutamente nada. Até cogitamos repetir a viagem no dia seguinte para tentar a sorte novamente, mas como o risco de o clima estar exatamente igual era grande preferimos não arriscar. Afinal, tínhamos longos km de estrada ainda pela frente até San Diego.

big-sur-california
Isso foi o que de melhor deu pra ver. ;)

Pra não dizer que o dia foi inteiro decepcionante, no fim da tarde conseguimos ter uma bela surpresa ao conhecer a praia dos elefantes marinhos. Foi incrível observar esses gigantes que parecem dinossauros bem tranquilos em sua praia privada na chegada em San Simeon, primeira base hoteleira após o Big Sur. Foi lá que dormimos nessa noite. Procure por Piedras Blancas Elephant Seal Bookery para saber onde fica a praia.

elephant-seal-beach-san-simion
A fantástica praia dos elefantes marinhos

Degustando vinhos em uma região menos explorada pelos turistas

Passamos a noite ali e agora, já no 32º dia de viagem, era tempo de mergulhar novamente no enoturismo na Califórnia. Rumamos para a aconchegante San Luis Obispo, cidade base para explorarmos Paso Robles.

San Luis Obispo, conhecida como SLO, é uma cidade universitária, cheio de gente jovem, bares, restaurantes e lojinhas legais. Foi uma das boas surpresas de cidades que acabaram entrando no roteiro ao acaso
San Luis Obispo, conhecida como SLO, é uma cidade universitária, cheia de gente jovem, bares, restaurantes e lojinhas legais. Foi uma das boas surpresas de cidades que acabaram entrando no roteiro ao acaso

Depois de termos conhecido várias das regiões vinicultoras da Califórnia, arrisco dizer que o Napa pode não ser a melhor opção. O Napa é legal? Claro que é. Boa parte das mais conceituadas vinícolas californianas estão lá. Mas com a fama, vem gente. Muita gente.  Todos os lugares que visitamos estavam bem cheios e a estrada, bem movimentada.

Já em Sonoma, Dry Creek Valley e Paso Robles, pudemos provar vinhos extraordinários, vivendo experiências incríveis e com pouca gente ao redor. Não estou falando para descartar o Napa, mas para lembrar que pode-se viver experiências semelhantes – ou até melhores – em lugares menos concorridos.

Dao Vineyards & Winery: bons vinhos e uma vista de tirar o fôlego
Dao Vineyards & Winery: bons vinhos e uma vista de tirar o fôlego

Ainda vamos falar mais sobre nossa experiência conhecendo diversas vinícolas na Califórnia. Até lá, bora pra estrada…

Seguindo a indicação da Mari, do Ideias na Mala – que, por sinal, tem diversos posts incríveis sobre a Califórnia -, fomos conhecer a vinícola Daou, que, nas palavras dela, oferecia uma vista “ridícula”. Seguimos a dica e não deu erro.

Antes, porém, deu tempo de conhecer a bonitinha Cambria, mais uma pequena cidade que abrilhanta o roteiro entre San Francisco e San Diego.

cambria-california
Lojinhas de Cambria

Paramos para almoçar em um pequeno café e apoveitamos para conhecer mais uma cervejaria – acredito que a menor que fomos em toda a viagem. As cervejas eram ótimas!

Cerveja artesanal na Califórnia
Cerveja artesanal na Califórnia

Dali, foram mais 50 km até a Daou, primeira e única vinícola que visitamos no dia. Depois de degustar alguns rótulos e ficar algumas horas conversando e curtindo a o horizonte infinito, ainda encerramos o dia em outra cervejaria.

barrel-house-brewing-cerveja-artesanal-paso-robles-california
Boas cervejas, a melhor companhia e o pôr do sol californiano. Precisa mais?

Depois de SLO, seguimos viagem com destino a Santa Cruz, onde passamos o dia curtindo a praia e caminhando pela cidade. Nossa ideia era dormir ali, mas como o preço dos hotéis era muito alto, decidimos seguir para o sul e dormir em Camarillo, cidade que encontramos a hospedagem mais barata na região (70km ao sul de Santa Cruz).

nah-em-santa-cruz
Relax em Santa Cruz depois do almoço mexicano

Na manhã seguinte saímos cedo porque tínhamos mais 250km pela frente até San Diego, nosso destino final pelas próximas quatro semanas. Antes, porém, paramos em Malibu pra comer e pegar uma praia.

malibu-california
Uma das partes mais ricas da muito rica Califórnia

Horas depois, seguimos para os últimos km da Highway 1. Foi um trecho em ritmo lento, observando as cidades, o visual sempre incrível da costa e o movimento de mais um domingo de sol no estado dourado.

Chegamos em San Diego depois de 37 dias de viagem. E cá estamos desde então. Agora, já em contagem regressiva para o nosso sonho californiano terminar no 65º dia.

san-diego-por-do-sol-california
Apenas mais um dia terminando em San Diego

Agora, segura aí porque aos poucos vamos escrever  sobre tudo o que vimos, fizemos, vivemos. Pode esperar muita dica boa para a sua viagem para a Califórnia.

Diz aí, o que você tem mais curiosidade em saber sobre essa viagem?

Como um vulcão nos fez ficar 5 dias no Canadá + outra história de vulcão

Quem nos acompanha há algum tempo, já deve ter percebido que dificilmente a gente reúne apenas dicas práticas de viagem em um post; sempre acabamos contando, mesmo que rapidamente, uma historinha que ajuda a ilustrar o tema em questão. Coisa de jornalista! :)

Porém, histórias que aparentemente são apenas boas histórias, muitas vezes acabam ficando guardadas na nossa “pasta” de boas recordações – e volta e meia falamos sobre elas entre nós.

Por trás dessa foto, por exemplo, tem uma história de sofrimento intenso. haha. Para conhecer as "cinco terras" (Cinqueterre, Itália), passamos um perrengue memorável...
Por trás dessa foto, por exemplo, tem uma história de sofrimento intenso. haha. Para conhecer as “cinco terras” (Cinqueterre, Itália), passamos um perrengue memorável…

Como originalmente blog é um espaço para o blogueiro registrar suas memórias, pensamos que estava na hora de tirar algumas dessas boas histórias da tal pasta. Mas, para não perder a característica principal do Pra Ver em Londres, que é ser um canal de “utilidade pública”, as histórias que contaremos nessa nova seção sempre terão uma “lição de moral”, que com certeza poderá ser útil para você um dia. :)

Para começar, conto hoje a primeira grande história de viagem que vivemos juntos. Um episódio que mostra que talvez seja uma boa ideia você nos perguntar, antes de comprar sua passagem, se por acaso a gente não vai viajar no mesmo dia que você… =)

Um raio cai, sim, duas vezes no mesmo lugar

Em 2010, João e eu éramos  recém-formados empolgadíssimos para vivermos nossa primeira grande experiência internacional juntos (já tínhamos passado dez dias em Buenos Aires antes, mas dessa vez íamos ficar seis meses em Londres. Oooutra história, né?).

Ói que babies, gente! :)
Ói que babies, gente! :)

Com tudo muito bem organizadinho, acordamos no dia 15 de abril daquele ano prontos para partir para a Terra da Rainha. Mas bastou ligarmos a tevê cedinho para termos a leve impressão de que nossa viagem podia ser mais complicada do que imaginávamos…

Um vulcão de nome feio e comprido (Eyjafjallajkull) tinha entrado em erupção na Islândia, e a fumaça dele já fechava alguns aeroportos do Velho Continente.

Nossa rota era a seguinte: Curitiba → São Paulo → Toronto (era barato, gente. Eu juro!) → Londres

Dava tempo de boa desse vulcãozinho parar de prejudicar os viajantes, né? #AHAMNatasha

Bom, era isso que a gente pensava. Nunca na minha jovem vida (tinha 22 anos) tinha ouvido falar de vulcão que fechava espaço aéreo por diiias e dias.

A gente só queria chegar logo em Londres. Era pedir muito? :'(
A gente só queria chegar logo em Londres. Era pedir muito? :'(

Nosso embarque em Curitiba foi tranquilíssimo (apesar da choradeira na despedida dos pais e amigos) e nosso pouso na terra da garoa também. Tudo começou a mudar na hora do check in na Air Canada. A mocinha que nos atendeu disparou:

– O aeroporto de Londres está fechado por causa do vulcão. Talvez o voo de vocês de amanhã, lá em Toronto, seja cancelado. Como estamos avisando ainda em São Paulo, vocês têm duas opções de escolha:

  1. Ficam aqui e a companhia se responsabiliza pelos custos de vocês enquanto as coisas não normalizarem;
  2. Embarcam e, caso o voo de vocês para Londres não saia amanhã, a responsabilidade dos gastos é toda de vocês.

Olhei para meu então Nahmorado e falei: “aaaah, até amanhã já tá de boa. Vamos pra Toronto”. Ele concordou comigo, assinamos um termo de responsabilidade e partimos.

Parênteses – Pare e pense comigo: eu tinha 22 anos, o João 23. O gato precavido que eu arranjei tinha feito até que uma boa poupancinha pra viagem. Eu não! Tá certo que íamos manter nossos jobs para empresas brasileiras no período, mas o dinheiro era bem contadinho.

Bom, chegamos em Toronto e logo soubemos que, pois é, a situação era mais grave do que os tolinhos aqui imaginavam. Diziam nossos informantes que os aeroportos europeus podiam ficar fechados por diiiiiias, talvez até semanas.

Bateu O desespero.

Começamos a ligar para os hotéis da região e em pouco tempo vimos que as diárias não sairiam por menos de 70 dólares canadenses. =/

Mas a escolha já tinha sido feita, né? Assim, nos restava aproveitar…

Imagiiiina, dinheiro nem é um problema, por isso somos só sorrisos nessa vida de reis em Toronto! haha #sóquenão
Imagiiiina, dinheiro nem é um problema, por isso somos só sorrisos nessa vida de reis em Toronto! haha #sóquenão
Pobres, mas felizes. Esse era o nosso lema!
Pobres, mas felizes. Esse era o nosso lema!

Por isso, os primeiros posts do blog foram apelidados de “Pra Ver em Toronto”. Te convido a ler…

Cinco dias depois, finalmente embarcamos para Londres. Alguns dólares mais pobres, mas bem felizes com o tanto de experiência “surpresa” que pudemos viver por culpa de um vulcãozinho…

Eu olho essas fotos e acho a gente com muita cara de nenê. haha. Mas, enfim, aí estamos nós na nossa segunda casa de Toronto: o aeroporto (embarcando para Londres! =D). Chamo de segunda casa porque todo dia a gente ia lá no guichê da cia aérea chorar para tentar uma remarcação de voo. :) Contamos o fim dessa história neste post.
Eu olho essas fotos e acho a gente com muita cara de nenê. haha. Mas, enfim, aí estamos nós na nossa segunda casa de Toronto: o aeroporto (embarcando para Londres! =D). Chamo de segunda casa porque todo dia a gente ia lá no guichê da cia aérea chorar para tentar uma remarcação de voo. :) Contamos o fim dessa história neste post.

Moral da história:

  • Com dinheiro contado, caso aconteça algo semelhante com você, pense bem se não vale a pena aceitar a opção que a companhia aérea se dispõe a pagar! =D
  • Agora, se o dindin não for problema, conhecer um destino inesperado pode ser uma boa. Se jogaaa! ;)
  • Ah, e jamais duvide da força da natureza!

Mas como assim um raio cai, sim, duas vezes no mesmo lugar?

Pensou que a história acabava assim, que o casal já viveria feliz para sempre? Well, não foi bem assim…

Quando voltamos de Londres em outubro de 2010, decidimos que no ano seguinte precisávamos dar um irmão para o Pra Ver em Londres, e surgiu a ideia de gerar o Pra Ver em Buenos Aires.

Em março de 2011, então, embarcamos rumo a uma temporada na capital hermana.

Nosso apezinho em Buenos era uma delííícia. #saudadesacada
Nosso apezinho em Buenos ficava em Palermo e era uma delííícia. #saudadesacada

Em tempo: o blog Pra Ver em Buenos Aires não existe mais, mas já trouxemos alguns dos posts de lá para cá. Quer ler? Clique nos links abaixo:

Na ida, nenhum vulcão atrapalhou nossas vidas. Foi na volta que a nossa história foi, mais uma vez, afetada por um soltador de fogo.

Nosso time, o Coritiba, tinha garantido sua vaga na final da Copa do Brasil (jogaríamos contra o Vasco), e a gente nem cogitou não estar presente no Couto Pereira na grande final. Antecipamos nossa passagem aérea sem custo algum, mas no dia anterior à viagem veio a notíca: o vulcão Puyehue, do Chile, estava trabalhando e já fechando aeroportos na região – inclusive nosso querido Ezeiza.

Entrei em pânico. Chorei, esperneei, falei “eu não quero perder a final do meu timeeeeeeee”.

Ainda Nahmorado, João falou: “calma, Nah, daremos um jeito”.

Sabe qual foi o jeito? 24 horas de busão + 1 hora de voo de Porto Alegre até Curitiba. E, claro, alguns bons pesos/reais mais pobres. =/

No fim das contas, no dia seguinte à nossa partida de ônibus, o dia em que devíamos ter embarcado de avião, o aeroporto de BsAs estava aberto. hahaha

Mas o que importa é que chegamos em Curitiba a tempo de participar do churras pré-jogo com os amigos, torcer muuuuito pelo glorioso e ir pra casa sem o título. :'( Mas valeu a pena!

... e como valeu a pena!
… e como valeu a pena!
Um pedacinho do nosso império de coxas doidos. <3
Um pedacinho do nosso império de coxas doidos. <3

Sofremos momentaneamente nos dois casos, mas nos divertimos também (você não tem noção do tanto de história engraçada que ouvimos no ônibus Buenos – POA! Rende até um post “histórias de viagem – o episódio das 24h de busão”. haha).

Moral da história 2:

  • Não deixe que o estresse causado por um “probleminha” no meio da sua viagem estrague a diversão. A história que fica para contar valerá a pena. ;)

E aí, o que achou do primeiro post dessa nova seção? Podemos contrar outras? Sabe como é, né, o blog é escrito pra você que nos lê, então sua opinião é muuuito importante. Aguardo seu comentário para decidir se conto a segunda história, de uma burrice que cometemos em Londres, ou não. hehe

Beijobeijo,

Nah

Um ano novo molhado (e divertido) em Londres

*Post escrito em 2014, mas atualizado em 2016 (no fim tem dicas para você que vai curtir a virada de 2016 para 2017 em Londres!)

Sabe aquelas imagens que bombaram no Facebook há algum tempo, que mostravam uma cena como a família pensa que é, como os amigos pensam que é, como você pensa que é e como na verdade é?

Então, eu poderia muito bem abrir este post fazendo uma montagem dessas para falar da nossa primeira experiência de Ano Novo em Londres.

Quer dizer, poderia, não. É isso que eu vou fazer. Toma aí:

Bom, como já deu pra entender, a gente não viu os fogos de pertiiiinho, então as fotos da expectativa não são nossas - são do jornal britânico Daily Mirror. A galera de fotos completa deles está aqui.
Bom, como já deu pra entender, a gente não viu os fogos de pertiiiinho, então as fotos da expectativa não são nossas – são do jornal britânico Daily Mirror. A galera de fotos completa deles está aqui.

hahaha. Desculpa o clichezão, mas achei muito apropriado. :)

Mas antes que você fique com dó da gente, já adianto que nosso primeiro Réveillon em terras londrinas foi divertidíssimo. E nos mostrou que nem sempre é preciso fazer o que todo mundo diz que é “A” opção de ______ (insira aqui o evento de sua preferência) para viver momentos inesquecíveis.

Ano Novo em Londres: a expectativa e a realidade

Ver os fogos da London Eye do outro lado do Tâmisa (ou de “dentro” do rio) é o sonho de (quase) todo mundo que vai a Londres para passar o Ano Novo, certo? Pois é, e era o nosso também.

Mas em uma pesquisa rapidex por outros blogs de viagem (links no fim!) vimos que, poutz, a função para ver os fogos nas ruas próximas à roda gigante não era bem o nosso tipo de programa preferido (teríamos que chegar meeeega cedo, tomar um chá de espera, aguentar empurra-empurra, etc. etc. etc.). Além disso, achamos os preços dos barcos com jantar + vista para os fogos meio salgados, então logo descartamos essa opção.

Nos restou, então, procurar um lugar alto (e menos muvucado) para apreciar o show – que, sim, é incrível!

E opções para isso não faltam. Tem pra quem não quer pagar nada – como Primrose Hill e outros parques localizados em regiões altas da cidade -, e para quem quer aproveitar pra participar de uma festa – como restaurantes que ficam em prédios altos (links para boas opções no fim do texto).

Com o convite do nosso amigo Chico para nos juntarmos a ele e seus roommates em Canada Water, acabamos assistindo no Stave Hill, que fica ali pertinho.

Stave_Hill,_Rotherhithe,_London_-_May_2008
A foto é da página da Wikipedia que apresenta o Stave Hill. Como fomos apenas à noite, direto para ver os fogos, e estava lotado (e chovendo), não conseguimos fazer um registro oficial do lugar. :) – Link para a página original está aqui.

A experiência de ver os fogos na chuva e de um morrinho

Nossa noite de 31 de dezembro de 2013 foi MUITO legal. Chegamos cedo à casa do Chico para ajudar nos preparativos da “ceia”. O cardápio? Um belo churrasco brasileiríssimo, comandado pelo time dos homens – Chico, marido e uns amigos do nosso conterrâneo.

Mas vou te contar que os meninos tiveram dificuldade pra acender o fogo. haha. Primeiro, o carvão não “funcionava” (e isso existe, gente?). Depois, a chama não ganhava força. Mas tão logo a fumaceira se esvaiu e  fogo finalmente começou a esquentar a galera que usava a churrasqueira de lareira (inverno, né?), a picanha começou a virar realidade. OMG, que dia feliz!! =D

Foi engraçado ver os amigos gringos do Chico experimentando essa iguaria da culinária brasileira e fazendo caras e bocas de “Hummm… que delícia”. :)

As meninas da festa se encarregaram dos bebes (tinha gelatina turbinada top!) e dos doces (dos deuses).

Papeamos bastante e quando faltavam uns 20 minutos para a meia-noite nos mandamos para o Stave Hill.

5, 4, 3, 2, 1… Feliz Ano Novo!

Sabe aquele morrinho da foto ali de cima? Então, ele estava beeem cheio quando a gente chegou na área. Além de tomado de gente, o Stave Hill também estava tomado de guarda-chuvas (a garoa fina engrossava à medida que 2014 se aproximava!), de simpatia (todo mundo virou amigo imediatamente) e de ansiedade, porque o que a galera queria mesmo era iniciar a contagem regressiva e ver os fogos famosos, que apareceriam no céu a alguns quilômetros de distância.

Esse era um daqueles dias de bastante vento em Londres. Não havia um guarda-chuva “quieto”. O que mais se via eram umbrellitchas indo e vindo. Mas, sinceramente, isso deixou a festa ainda mais divertida. Na hora da virada, estouramos um espumante, nos abraçamos dizendo nossos votos por um 2014 maravilhoso e admiramos, maravilhados, os fogos que abriram o novo ano.

Amigos são tudo na vida, né? Depois de um Natal delicioso na casa da Liliana e do Klaus, a companhia do Chico para o Réveillon foi a melhor possível. Obrigada, amigo! :)
Amigos são tudo na vida, né? Depois de um Natal delicioso na casa da Liliana e do Klaus, a companhia do Chico para o Réveillon foi a melhor possível. Obrigada, amigo! :)

Ano Novo em Londres - London Eye - The Shard

Pra Ver em Londres - fogos de ano-novo (1 de 1)

Claro que não tivemos a vista mais privilegiada do mundo, mas valeu muito a pena. Foi divertidíssimo. :)

A vista de cima de hoje! #londoneye #london #londres

Uma foto publicada por Pra Ver Em Londres (@praveremlondres) em

Quem é que não queria ver os fogos desse ângulo aí? ahahaha. Mas até por motivos de segurança, não rola, não. Procure um canto pra chamar de seu e se divirta. É esse o barato da vida. ;)

Feliz Ano Novo!

Com essas boas lembranças do Ano Novo em Londres do ano passado, encerro o post de hoje indo ali arrumar minha mala para a viagem que vai encerrar 2014 e iniciar 2015 para nós.

Só temos a agradecer por esse ano que está chegando ao fim. Foi muito, muito bom. E você, que tá sempre por aqui, tem culpa no cartório por isso. Então, mais uma vez, muuuito obrigada. :)

Que o seu fim de ano seja liiiindo. Em Londres, na sua terra natal ou em qualquer outro canto do mundo.

Nos vemos em 2015! ;)

Beijão,

Nah e João

Programe-se para ver 2017 chegar em Londres!

  • O Metro UK tem boas dicas pra você ver os fogos da London Eye sem gastar nada. Clique aqui para ter acesso à lista.
  • A Time Out London tem um guia completo para você que vai curtir a virada do ano em Londres. Tá aqui!
  • A Helô Righetto já viu os fogos da London Eye de um barco no Tâmisa. Ela contou aqui como foi a experiência.
  • A Luiza Ferrari fez um guia pra quem quer ver os fogos das ruas próximas à London Eye. Tá aqui. Só importante lembrar que este ano pra ver de pertinho tinha que comprar ingresso antecipadamente.

Uma história de Natal em Londres

O clima de Natal chegou sexta-feira aqui em casa. Ele veio com o início das nossas férias (\o/) e com esta cena:

Essa fofura é o nosso afilhado João Gabriel, que alegra nossas vidas com esse jeitinho lindo de ser. :) #dindababona

E aí que o “click natalino” fez eu me dar conta que ainda não tinha falado aqui sobre nossa experiência no Natal em Londres. Pra acabar já com esse problema, abri um vinho branco, pedi para o João editar umas fotos e tô aqui escrevendo essas linhas pra você. :)

Minha ideia é falar sobre quatro aspectos que, na minha opinião, tornam o Natal em Londres tão especial. Tem bastante link espalhado no texto. Use-os para programar os seus próximos dias na terrinha – ou pra sonhar com o Natal do ano que vem, de 2016, de 2017… o importante é sonhar! ;)

Escolhi uma música natalina que a gente curte (e que tocou enquanto estávamos no Winter Wonderland ano passado!) para embalar o post. Se quiser, dá o play e curte comigo! :)

O Natal nas ruas de Londres

Iniciei esse post dizendo que o clima de Natal chegou sexta aqui em casa. Tarde, né? É que, pra mim, Natal tem a ver com luzinhas colorindo a cidade, trilha sonora de jingle bells em tudo quanto é canto e criançada dizendo que quer ganhar “biciqueta” do Papai Noel.

Só que em terras curitibanas, pouco tinha visto do “meu Natal” até então. Pra você ter uma ideia, no nosso bairro todinho, a casa dos meus pais deve ser uma das dez iluminadas especialmente para a época – meu “dads” pira nas luzinhas. Olha só:

*hahaha. Brincadeira. Esse aí é o belíssimo Palácio Avenida, um clássico do Natal curitibano – que, aliás, a gente mega recomenda. Mas um dia meu pai chega nesse nível de decoração. Pode apostar.*

Em Londres, no ano passado, foi diferente. Já em novembro a cidade estava inteira decorada para o Natal… <3

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-2

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-20

Acredite se quiser, o acendimento das luzes de Natal das principais avenidas da cidade é sinônimo de festança. Milhares de pessoas se reúnem para gritar “ooooooh” quando as luzes são acesas pela primeira vez. :)

A gente foi ver de perto o evento da Regent Street, que tinha show com ex-Spice Girl e minha ex-musa Eliza Doolittle – ex-musa porque confesso que não ando curtindo muito a vibe atual da moça. Alguém além de mim acha que o sucesso subiu à cabeça da inglesinha?

Anyway… confesso que a experiência não foi das melhores. Tinha tanta gente, mas tanta gente, que não vimos nada dos shows. Só ouvimos algumas músicas beeem de longe e, claro, vimos as luzes se acendendo – mas não é nada fenomenal, acho que vale mais a pena observar as luzes já acesas em dias “normais”, sem tanto empurra-empurra. :)

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-24

Enfiiim… Depois de todas as luzes estarem devidamente no modo “on”, andar por Londres é igual se sentir DENTRO daqueles filmes de Natal que a gente via quando era criança, sabe? E isso, aaaaah, isso é uma delícia…

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-22

Mercados de Natal em Londres

Outra característica que torna Londres ainda mais especial no fim do ano são os mercados/feiras de Natal, que podem não ser tão imponentes como os alemães, famosíssimos no mundo inteiro, mas que ajudam a fortalecer o “espírito natalino” de quem visita a cidade nessa época.

O Winter Wonderland, que fica no Hyde Park, é o maior e mais famoso, mas há vários outros espalhados pela cidade – como na Leicester Square, em Southbank, no Victoria Park e assim por diante.

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-3

 O Londonist fez um post apresentando um montão de opções de mercados de Natal em Londres. Vale a pena conferir (tá aqui!).

Basicamente, os mercados/feiras têm comes e bebes, pista de patinação no gelo (que, aliás, é outro clássico do “Natal” londrino – a Thais, colega de blogosfera de viagem, contou sua experiência neste post), brinquedos pra você gastar suas preciosas librinhas se divertir, trilha sonora natalina… é divertido. :)

Dá uma olhada nos registros que fizemos lá no Winter Wonderland:

Fish & Chips não pode faltar, né? :)
Fish & Chips não pode faltar, né? :)
Já que a neve de verdade não veio, que tal levar um pouquinho da artificial para casa? GENTE, é uma delícia ficar pegando essa nevinha na mão. hihi
Já que a neve de verdade não veio, que tal levar um pouquinho da artificial para casa? GENTE, é uma delícia ficar pegando essa nevinha na mão. hihi
Ó aí quanto você tem que  desembolsar pra levar neve pra casa. O que acha?
Ó aí quanto você tem que desembolsar pra levar neve pra casa. O que acha?
Delicinha de bar no meio do Winter Wonderland
Delicinha de bar no meio do Winter Wonderland

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-12

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-14

Esse brinquedo é MUITO legal, gente. Um labirinto de pequenas "armadilhas" que a gente percorreu muito bêbados na Oktoberfest, em Munique.
Esse brinquedo é MUITO legal, gente. Um labirinto de pequenas “armadilhas” –  a gente percorreu um igualzinho muito bêbados na Oktoberfest, em Munique.

Deu pra ver que é legal, né? Então procura um perto de onde você está hospedado/de onde você mora ou um que lhe agrade mais e se joga. ;)

O melhor do Natal em Londres: a noite de Natal!

Tudo muito bom, tudo muito bem. Mas o melhor ainda estava por vir: a noite de Natal!

Longe da família e dos amigos da vida toda, o 24 e o 25 de dezembro tinham tudo para ser dias meio tristonhos pra nós. Mas que nada. Os queridos Liliana e Klaus (do blog Catálogo de Viagens – que se você ainda não conhece, precisa conhecer) nos convidaram a passar o feriadão na casa deles, e foi tudo incrível.

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1) (2)
Bons amigos que Londres e o blog nos deram. :) João e eu você identifica, né? Bom, Klaus é o outro homem da mesa, a de cabelo branco é Aida, amiga deles que é maquiadora da MAC do Spitalfields Market e que é uma queridona, e a gata da lindona aqui na ponta é a Liliana.

Pra começar, o cardápio estava top!

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-2 (2)

João e eu fomos atééé Willesden para buscar um lombo recheado DOS DEUSES em um açougue brasileiro que merece a indicação: Açougue Ki Carne – ou Açougue do Gaúcho (além do lombo, compramos picanha brasileiríssima pra levar pra casa. Bom demais! hehe). Além disso, Liliana mandou super bem no peru e nos acompanhamentos e a decoração estava liiiinda. Olha só:

Tanto capricho, né, gente? <3
Tanto capricho, né, gente? <3
<3
<3

Mas o ponto alto da noite foi o mico que eu paguei ha hora da abertura dos crackers – uma tradição que merece destaque porque é muito divertida.

Funciona assim: no prato de todo mundo fica um pequeno tubinho que tem um presentinho dentro (o tal Christmas Cracker). Antes da ceia, todo mundo se dá as mãos e cada um puxa um lado de um cracker. Os presentinhos caem (e a Natasha também) e com eles surgem as coroinhas de papel que todo mundo tem que usar até o final da ceia. Ah, tem também umas piadinhas que fazem a galera dar boas risadas – se bem que eu acho que meu mico foi mais engraçado. Vê o que você acha:

hahahahah

Viu um ser caindo ali no cantinho? Pois é, sou eu, essa pessoa nada desastrada. :)

Foi uma noite agradabilíssima! E como dia 25 é feriado e não tem ônibus, metrô, trem, meio de transporte algum circulando, o casal de Vitória (ES) e a amiga Aida tiveram que nos aguentar por mais um dia. =D

Mas acho eu que eles curtiram tanto quanto nós. Tomamos boas cervejas, papeamos muuuito e tivemos um Natal inesquecível.

Obrigada pelo convite, gente. <3

Boxing Day

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-17

O último destaque do Natal de Londres que trago para cá é o famoso “Boxing Day”. O primeiro dia de liquidações pós-Natal. Que muita gente ama. Mas não eu.

Não adianta, “shopping” não é pra mim. Deteeeesto encarar lojas lotadas, cotoveladas para encontrar “o” vestido com 80% de desconto e afins. Na real, não sou consumista e ponto final.

Mas, como sei que o “Boxing Day” é um sonho para muita gente (talvez até para você aí!), no ano passado concordei com o marido que precisávamos viver essa experiência pra contar aqui como é.

No dia 26, então, deixamos a casa dos amigos amados e nos mandamos para a Oxford Street em dia de Boxing Day.

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-18

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-19

O que eu posso dizer? Tem bons descontos, sim, mas tem que ter mais paciência do que nunca pra conseguir fazer boas compras. Se você quiser aproveitar, vá com roupas confortáveis e esteja disposto a entrar de porta em porta para encontrar o que busca.

Não vou indicar loja “x” ou “y” porque acho que gosto cada um tem o seu, mas já digo que na região da Oxford Street tem muita coisa a preço de banana nessa tão famosa data. Aproveite!

Feliz Natal! :)

Reunindo aqui minhas quatro principais dicas do Natal em Londres – curtir as luzinhas nas ruas, passear pelos mercados, ter uma noite de Natal com amigos e aproveitar o Boxing Day (se você for desse time, claro) -, aproveito para deixar para você, que nos acompanha e nos motiva a seguirmos firmes e fortes com o blog, um Feliiiiz Natal.

Natal em Londres - Pra Ver Em Londres (1 de 1)-21

Que você possa aproveitar essa data com as pessoas que ama e que receba de presente muito carinho, momentos inesquecíveis, bons drinks e boas festas. :)

Saiba que sua companhia aqui é um presentão para nós todos os dias.

Volto antes do dia 31 pra falar sobre nossa experiência no Ano Novo em Londres, ok?

Boas festas e até lá!

Beijão,

Nah (e João – que mais uma vez colaborou com a edição das fotos e do vídeo – thanks, marido!)

*Ps: tem mais fotos no Google+. Clique aqui para ver!